São Paulo, 06 (AE) - Em um esporte que move fortunas com a publicidade, a Fifa, entidade máxima do futebol mundial, criou regras para a propaganda virtual nas transmissões pela TV ao mesmo tempo que promove a propaganda social. Desde o dia 1.º, normas que regulamentam a virtual estão em vigor, aprovadas pelo Comitê Executivo. Na social, a Fifa mantém a parceria com a Aldeias Infantis SOS, que ajuda crianças carentes pelo mundo.
A Fifa, que tem controle total na escolha dos parceiros e venda das cotas de patrocínio nas competições que organiza, mostrou preocupação com a propaganda virtual. Trata-se do uso de tecnologia para dar, ao telespectador, a ilusão de que existe, no centro do gramado ou em outros pontos do estádio, a presença do logotipo ou slogan de alguma empresa. A inserção é feita eletronicamente no sinal da transmissão.
Depois de um longo estudo, a Fifa definiu regras. A propaganda é permitida no centro do gramado e na grande área, apenas quando as equipes não estiverem em campo. áreas do estádio reservadas para anúncios também podem ser usadas. Ficou proibida a publicidade em pessoas, sozinhas ou em grupo.
"As mudanças são um reflexo do desenvolvimento deste setor e a necessidade de adaptação a uma realidade moderna", explicou Michel Zen-Ruffinen, secretário-geral da Fifa. As federações nacionais receberam o texto com as regras e tiveram o dever de informar as emissoras de TV sobre o cumprimento das normas a partir deste ano.
Ajuda a crianças - A propaganda social pode ser vista no Mundial de Clubes, que está sendo realizado no País. Gandulas são garotos do programa Aldeias Infantis SOS, entidade internacional privada, sem fins políticos e religiosos, que cuida de 250 mil crianças, adolescentes e jovens em 131 países. No Brasil, 3,7 mil crianças são atendidas em 15 unidades de dez Estados.
A entidade também está autorizada pela Fifa a divulgar mensagens no placar eletrônico, balões, placas no gramado, distribuição de folhetos e venda de tabela de jogos e montagem de estandes próximos ao estádio.