Londrina, 06 (AE) - O empate com o Uruguai, que manteve a invencibilidade do Brasil no Pré-Olímpico, serviu para que o atacante Fábio Júnior desse a volta por cima na competição e voltasse a adquirir a confiança do técnico Wanderley Luxemburgo. Durante as partidas iniciais do torneio, ele foi muito criticado por suas atuações irregulares. E, hoje, após o jogo, muito contente com o gol marcado no final da partida, Fábio Júnior fez um agradecimento especial aos seus colegas da seleção. Ele atribuiu sua recuperação à solidariedade do grupo. "Nenhum jogador deixou eu ficar com a cabeça baixa nos piores momentos."
Na entrevista coletiva, Fábio Júnior reconheceu que poderia ter produzido bem mais no Pré-Olímpico. Ao lado de Luxemburgo, ele recorreu ao treinador, duas vezes, para que o ajudasse nas respostas. "A comissão técnica sempre acreditou no potencial dele", disse Luxemburgo.
Radiante, o artilheiro Ronaldinho disse que espera ser lembrado por Luxemburgo nas próximas convocações, tanto para a seleção principal como para a olímpica. "Com tantas feras no Brasil, não há vaga assegurada com a camisa amarela", declarou o atacante que, logo após a partida, atirou suas chuteiras para os torcedores do Estádio do Café.
"O que aconteceu hoje foi a realização de um sonho. Estou muito feliz pelo título, artilharia, enfim, por tudo." O zagueiro Fábio Bilica, autor do primeiro gol da partida, teve visitas especiais no estádio. Sua mulher, Milka Prado, e outros parentes estiveram nas cadeiras especiais acompanhando o último jogo do torneio. Milka contou que Fábio Bilica lhe prometera um gol e agradeceu o cumprimento da promessa. "Esse gol foi em minha homenagem e também em nome do nosso filho, que vai nascer em julho", declarou Milka.
Dentro de campo, abraçado aos outros jogadores, Bilica afirmou que o título conquistado hoje foi o mais importante de sua carreira. "Isto é uma prova da nossa competência e capacidade." O meia Alex, que levantou a taça e a beijou para os aplausos do público, disse que nunca imaginara ser o capitão da seleção e que sentiu uma "felicidade plena", hoje, em Londrina. "Foi mais que um sentimento de dever cumprido."