|
  • Bitcoin 150.264
  • Dólar 4,9314
  • Euro 5,2229
Londrina

Esporte

m de leitura Atualizado em 25/02/2022, 09:35

F1 diz ser impossível manter GP da Rússia em meio à guerra com a Ucrânia

PUBLICAÇÃO
sexta-feira, 25 de fevereiro de 2022


AUTOR autor do artigo

menu flutuante

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Marcado para 25 de setembro, o GP da Rússia de F1 não deverá ser disputado em 2022. Nesta sexta (25), a categoria emitiu um comunicado no qual diz ser "impossível" a realização da prova em meio à guerra do país com a Ucrânia.

"O Mundial de F1 visita países de todo o mundo com uma visão positiva de unir as pessoas. Estamos acompanhando os acontecimentos na Ucrânia com tristeza e choque e a esperança de uma pacífica resolução para a presente situação. Na quinta (24), a FIA e as equipes discutiram a posição do nosso esporte, e a conclusão é, incluindo a visão de todas as partes interessadas, de que é impossível manter o GP da Rússia nas atuais circunstâncias", disse a nota da FIA.

Nesta quinta, pilotos importantes do circuito já haviam manifestado sua contrariedade com a possibilidade de realização da prova no país.

Tetracampeão mundial de F1, o alemão Sebastian Vettel se disse "chocado" com a invasão russa e foi enfático ao dizer que não gostaria de participar da etapa.

"É horrível ver o que está acontecendo [...] Falo por mim: eu não devo ir e eu não irei. É errado correr lá. Pessoas estão sendo mortas por razões estúpidas e uma liderança muito estranha e raivosa", disse o alemão, se referindo ao presidente da Rússia, Vladimir Putin.

O atual campeão, Max Verstappen, que não costuma se envolver em questões políticas, concordou com o posicionamento de Vettel.

"Se um país está em guerra, não seria certo correr lá", afirmou o holandês. "Mas não é só o que eu acho. O paddock todo tem de decidir o que faremos em seguida", continuou o piloto da Red Bull.