O mesa-tenista curitibano Luiz Algacir, 27 anos, perdeu ontem a chance de passar para a próxima fase dos Jogos Paraolímpicos. Ele foi derrotado pelo nigeriano Egbinola Oluade, 29, e deu adeus aos sonho da medalha paraolímpica. Os dois atletas jamais haviam se enfrentado e tinham obtido resultados semelhantes nas partidas anteriores da Chave H na classe 3 do tênis de mesa paraolímpico. Ambos ganharam do italiano Julius Lampacher, 40 anos, e tinham sido derrotados pelo o austríaco Peter Wolf, 41.
A partida decisiva aconteceu às 12h40 de Sydney (23h40 horário de Brasília). Os dois entraram na quadra do State Sports Centre precisando da vitória para continuar na briga pelo pódio. Jogo foi muito equilibrado. O primeiro set foi disputado ponto a ponto e terminou com a vitória do nigeriano por 22 a 20. No segundo set, o adversário do brasileiro fez 21 a 16 e fechou a partida. ‘‘Ele ganhou por ter mais experiência’’, disse o mesa-tenista curitibano, que é técnico em processamento de dados. ‘‘Precisamos participar de mais competições internacionais para que conheçamos melhor o jogo do adversário.’’
Para vir a Sydney, Algacir, que treinava em torno de uma hora por dia em sua cidade, foi para São Paulo e passou quase dois meses praticando até nove horas por dia. Agora, ele quer fazer um estágio na Califórnia ou México, onde há tradição no tênis de mesa adaptado. O atleta ficou deficiente físico depois de cair de uma árvore quando tinha 15 anos de idade. Esta foi sua segunda Paraolimpíada – ele ficou em nono lugar em Atlanta.
Lucas – Tristeza de uns, alegria de outros: Lucas Maciel, 21 anos, é o primeiro mesa-tenista brasileiro a se classificar para as quartas-de-final em sua categoria nos Jogos Paraolímpicos. O atleta de Santos venceu a primeira partida da chave B, classe 11, para portadores de deficiência mental, contra o japonês Makoto Higuchi, 32.
‘‘Foi um jogo difícil, mas valeu’’, comemorou o atleta depois da vitória. Lucas admitiu que estava muito nervoso no começo da partida. No primeiro set, o adversário chegou a abrir vantagem de 11 a 8. Mas o brasileiro reverteu o jogo, fechando o placar em 17 a 21.
No segundo set, Lucas ganhava o jogo por 20 a 11 quando o adversário marcou três pontos seguidos. Foi a hora do técnico Flávio Beloc, da delegação paraolímpica brasileira de tênis de mesa, entrar em ação e pedir tempo. ‘‘Ele estava com dificuldade para fechar o set, por causa da ansiedade’’, explicou o treinador, que há seis anos acompanha o atleta na Escola Municipal de Educação Especial Maria Carmelita. Mais calmo, Lucas marcou o ponto final, fechando em 21 a 14. Com o placar final de 2 sets a zero, ele garantiu sua participação na próxima fase, prevista para o dia 27.
Às 12h40, no entanto, voltou para sua segunda partida do dia, contra o espanhol Angel Garrido, 20 anos, para definir quem ficava com a liderança da chave. Lucas perdeu a partida por dois sets a zero – 21 a 14 e 21 a 12. ‘‘O espanhol tem um nível altíssimo. Já foi campeão do mundo em sua classe, controlou o jogo, é um dos favoritos ao ouro’’, reconhece Beloc.
Agora, Lucas precisa ganhar a partida contra o húngaro Janos Laszlo, 21 anos, nas quartas-de-final, às 12h40 de sexta-feira em Sydney (23h40 de quinta-feira horário de Brasília) para seguir na briga pelo pódio.
(Marcos Freitas)