|
  • Bitcoin
  • Dólar
  • Euro
Londrina

Caso Celsinho 5m de leitura Atualizado em 18/11/2021, 19:08

Ex-presidente do LEC faz defesa do Brusque, que retoma pontos e se afasta da ZR da Série B

Clube catarinense recupera os três pontos perdidos após denúncia de injúria racial contra o meia Celsinho do Londrina

PUBLICAÇÃO
sexta-feira, 19 de novembro de 2021

Lucio Flávio Cruz - Grupo Folha
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

Às vésperas do dia da Consciência Negra, que será comemorado no sábado (20), o Pleno do STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva) acatou o recurso do Brusque e devolveu os três pontos perdidos pelo time catarinense no caso de injúria racial cometida contra o meia Celsinho, do Londrina. Com isso, o Brusque subiu para 44 pontos na classificação da Série B e se afastou da zona do rebaixamento. 

Imagem ilustrativa da imagem Ex-presidente do LEC faz defesa do Brusque, que retoma pontos e se afasta da ZR da Série B
|  Foto: Ricardo Chicarelli/LEC
 

O julgamento, on-line, durou quase cinco horas e seis dos oitos auditores reformaram a punição imposta em primeira instância pela Quinta Comissão Disciplinar. Em troca dos três pontos, o Brusque perdeu um mando de campo e foi multado em R$ 60 mil. O presidente do Conselho Deliberativo do clube, Júlio Antônio Petermann, autor das ofensas a Celsinho, foi suspenso por 360 dias e multado em R$ 30 mil. 

O único auditor que manteve a perda de pontos do time catarinense foi Paulo Feuz, além do relator Maurício Neves Fonseca. Celsinho acompanhou o julgamento e foi o primeiro a falar. "Tenho um filho que me pergunta se já acabou esse problema do meu cabelo e das pessoas me xingarem. Como presidente do conselho ele deveria dar o exemplo".

A injúria racial contra o londrinense aconteceu durante a partida entre Brusque e LEC, no dia 28 de agosto. O jogador foi xingado por Peterman, que estava na arquibancada e que usou a seguinte expressão: "vai cortar esse cabelo, essa cachopa de abelha". 

No dia 10 de setembro, o LEC entrou com uma notícia de infração no STJD e o Brusque foi denunciado no artigo 243-G do CBJD.

Advogado de defesa do Brusque, Osvaldo Sestário, ex-presidente do LEC, argumentou que o caso não poderia ser enquadrado como gravíssimo e que não poderia ser pautado por estar às vésperas do dia da Consciência Negra. "Temos que estar voltados 365 dias no ano para o combate à discriminação. Uma grande parte dos atletas, cerca de 70% do elenco, é negra.", enfatizou.  

A maioria dos auditores seguiu a relatoria e condenou o ato de racismo, mas eles entenderam que o caso não se enquadrava em uma situação gravíssima e, por isso, não se justificava a perda de pontos. 

Para o advogado do LEC, Eduardo Vargas, o Brusque deveria admitir a punição. "Até quando toleraremos isso no futebol brasileiro e na sociedade brasileira? Até quando relativizaremos condutas criminosas que atentam contra a raça e cor?", questionou. 

Receba nossas notícias direto no seu celular, envie, também, suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link

instagram

ÚLTIMOS POSTS NO INSTAGRAM