O presidente do Instituto de Desenvolvimento do Esporte (Indesp), Augusto Carlos de Viveiros, 57 anos, anunciou ontem em Sydney que a cidade de Londrina será sede do Fórum do Esporte do Brasil. O evento acontecerá na primeira quinzena de dezembro na Universidade Estadual de Londrina (UEL). Serão analisadas a Olimpíada e a Paraolimpíada de Sydney 2000. Será também planejada a participação brasileira em Atenas-2004 e também para os Jogos de 2008, cuja sede ainda não foi definida.
O encontro vai reunir profissionais do Comitê Olímpico e Paraolímpico Brasileiro, dirigentes de todas as confederações olímpicas, técnicos do Indesp, além dos patrocinadores (Banco do Brasil, Petrobrás, Caixa Econômica Federal, Banco Real, Intelig e Sansung) e ainda membros da imprensa nacional.
O evento acontecerá em Londrina porque a UEL faz parte da rede de excelência do Indesp, órgão do Ministério do Esporte. Ao todo, são nove universidades do Brasil que fazem parte da rede: duas do Rio Grande do Sul, uma do Paraná, uma de Santa Catarina, uma do Distrito Federal, duas de São Paulo, uma de Minas Gerais e outra de Pernambuco. No encontro vai acontecer a avaliação técnica dos atletas.
A partir de 2001 as confederações das diversas modalidades serão obrigadas a informar ao Indesp qual será a área de planejamento das entidades para os próximos quatro anos. ‘‘Haverá ainda um planejamento vertical, para responder a questão de o que está sendo feito pelas confederações junto às federações’’, disse Viveiros.
O presidente do Indesp afirmou ainda que pelo menos três dirigentes de cada confederação serão obrigados a participar de cursos de reciclagem sobre esportes e recursos humanos, que serão proferidos pelo Sebrae. ‘‘Também vamos fazer levantamento da necessidade de equipamento das confederações, saber quem precisa de técnicos, por exemplo.’’
Viveiros anunciou ainda que o Indesp já assinou convênios com Cuba, França, Alemanha e Austrália para a troca de informações sobre o desporto para que as soluções por eles encontradas possam vir a beneficiar também o esporte brasileiro.
Viveiros disse que, a partir de 2001, o Indesp vai criar a Academia Brasileira de Técnicos. ‘‘Nos primeiros quatro anos a gente traz profissionais de fora para nos ajudar e, depois, começamos a formar no próprio país os profissionais capacitados para que estes possam depois passar os conhecimentos aos outros, formando um ciclo permanenente de treinamento e qualificação do esporte brasileiro’’, afirmou.
Segundo o dirigente, o esporte para deficientes no Brasil poderá ter um 2001 bem melhor do que foi 2000. ‘‘Já está nas mãos da presidência da República um projeto que prevê o repasse para o Indesp de 3% do seguro obrigatório dos carros. São 45 milhões de reais sem aumentar impostos e sem renúncia fiscal’’, disse.