São Paulo, 01 (AE) - Torcida, altitude, terreno plano e o charme de um dos pontos do Brasil mais conhecidos no mundo: a Praia de Copacabana. A etapa brasileira da Copa do Mundo de Triatlo, a World Cup Pão de Açúcar, prevista para o dia 26, está sendo planejada para que os representantes do País tenham todas as chances de bons resultados e garantia de classificação para os Jogos Olímpicos de Sydney, em setembro. Paralelamente, os organizadores procuram fazer da prova, que não era realizada no Brasil desde 1996, um sucesso que garanta sua permanência no calendário.
A competição terá início no Posto 6, com a prova de natação. Os triatletas terão de fazer dois trajetos de ida e volta no mar: um de 1.000 metros e outro de 500 metros. "O objetivo de fazer duas voltas com distâncias diferentes é evitar, tanto quanto possível, o contato físico entre os atletas", disse Márcio de Lucca, um dos organizadores do evento, lembrando que, na natação, os choques entre os competidores é comum.
As pistas de ciclismo, com 4,5 quilômetros, e de corrida, com 2,5, serão montadas na Avenida Atlântica e, planas, favorecerão os triatletas brasileiros, que preferem não enfrentar subidas. Eles terão de completar nove voltas de bicicleta e quatro de corrida antes de cruzar a linha de chegada.
Segundo o técnico da seleção, Marcos Paulo Reis, num percurso que oferecerá poucas dificuldades, a prova de natação será decisiva para a vitória. "O nível técnico será altíssimo", prevê.
"Uma vantagem de vários triatletas brasileiros, além do fato de não terem de viajar, é competir ao nível do mar", diz De Lucca. "Manzan e Leandro, que treinam em Brasília, onde a altitude é maior, podem ter melhor rendimento." A torcida também deverá estar presente para incentivar, pois serão contruídas arquibancadas.
A etapa brasileira da Copa do Mundo, a primeira do ano, é uma das últimas oportunidades para os atletas marcarem pontos no ranking da International Triathlon Union (ITU), que definirá os representantes olímpicos. Cada país poderá levar no máximo três atletas, que deverão estar entre os cem primeiros colocados em 1.º de maio.
Até agora, o Brasil só tem uma vaga garantida em Sydney: a de Carla Moreno, medalha de prata nos Jogos Pan-Americanos de Winnipeg. Mariana Ohata, Sandra Soldan, Alexandre Manzan, Leandro Macedo, Armando Barcellos e Juraci Moreira Júnior ainda estão lutando pela classificação. Depois do Mundial, a etapa da Copa do Mundo é a prova que mais distribui pontos para o ranking: 1.500 para o vencedor. O Mundial, dia 30 de abril, em Perth, na Austrália, distribuirá 2.250 pontos.