Agência Estado
De São Paulo
Um empate diante do Real Madrid, hoje, às 18h45, na segunda rodada do Mundial de Clubes, no Morumbi, é encarado pelos jogadores e comissão técnica do Corinthians como bom resultado. O raciocínio é simples. Na última rodada da primeira fase, segunda-feira, o Corinthians terá pela frente o fraquíssimo Al-Nasser, enquanto o Real vai enfrentar o surpreendente e técnico Raja Casablanca. As TVs Bandeirantes e SporTV (canal por assinatura) transmitem o jogo ao vivo.
Teoricamente, o Corinthians terá mais condições de conseguir um maior saldo de gols ou marcar um número maior de gols, o que o levaria a ter a vantagem diante do Real na disputa do primeiro lugar no Grupo A. E a garantia de chegar à final do Mundial.
‘‘Temos de jogar com o regulamento debaixo do braço’’, disse o técnico Oswaldo de Oliveira, que sempre destaca o cansaço de seus jogadores por terem suas férias interrompidas. ‘‘Precisamos atacar, mas cadenciando o jogo; sem pressa para decidir.’’
Marcelinho Carioca apresenta qual será a tática a ser implantada diante da equipe espanhola. ‘‘O Corinthians sabe como chamar o adversário e contra-atacar com rapidez’’, disse o atacante. ‘‘Não vamos precisar mais do que três ou quatro contra-ataques para definir o jogo’’, garantiu. ‘‘É lógico que vamos jogar para ganhar, mas o importante é não perder.’’ O capitão Rincón ficou ‘‘feliz’’ com a vitória na estréia do Mundial.
‘‘É sempre difícil o primeiro jogo; este resultado nos trouxe confiança, tranquilidade e motivação para decidir com o Real.’’ O colombiano acredita em um ‘‘jogo aberto’’, cheio de oportunidades para os dois lados. ‘‘Os times possuem atacantes muito rápidos e goleadores.’’ Oswaldo de Oliveira tem a mesma tese. Segundo ele, a campanha irregular da defesa do Real no Campeonato Espanhol e a do Corinthians no Brasileiro credencia o duelo com um dos mais emocionantes do Mundial. ‘‘As equipes levaram muitos gols; todo cuidado será pouco.’’
Ao mesmo tempo, o treinador demonstra estar confiante no desempenho do lateral-direito Índio, que terá de marcar os brasileiros Sávio e Roberto Carlos. ‘‘Ele já teve pela frente Denílson e Serginho (jogadores que atauavam pelo São Paulo na final do Campeonato Paulista de 1998) e saiu-se muito bem; não vejo problemas’’, disse Oswaldo, que não levou em consideração a atuação do Real Madrid, na vitória por 3 a 1, contra o Al-Nasser. ‘‘Eles, como nós, atuaram a meia força; o jogo de amanhã (hoje)será totalmente diferente; disputado ao extremo.’’
Oswaldo vai manter a mesma equipe, que iniciou o jogo contra o Raja Casablanca. Fábio Luciano segue como titular. O zagueiro, que estreou marcando um gol anteontem, também mostra tranquilidade em enfrentar o ‘‘poderoso ataque espanhol’’. ‘‘Sabemos da força deles, são todos grandes jogadores; mas queremos disputar a final e, para isso, necessitamos da vitória e ela virᒒ, disse Fábio Luciano.
Os avanços do lateral-esquerdo Roberto Carlos, do Real Madrid, estão estudados e um planejamento foi feito pela comissão técnica corintiana. ‘‘Vou jogar nas costas dele, junto com o Edílson; vamos aprontar uma correria por aquele lado’’, disse Marcelinho Carioca. ‘‘O Vampeta é que vai ajudar o Índio na marcação do Roberto’’, continuou o corintiano, que aguarda um ‘‘bonito’’ duelo com o ex-lateral do Palmeiras também nas cobranças de faltas. ‘‘Ele é melhor a longa distância; mais perto, é comigo.’’
Marcelinho espera ter mais espaço para atuar do que contra o Raja. ‘‘Com certeza, o Real vai sair mais para o jogo e o Corinthians sabe usar os brancos do campo para criar suas jogadas e chegar com eficácia ao gol adversário.’’Time paulista planeja segurar a equipe espanhola na partida desta noite para decidir a vaga na final contra o fraco Al-Nasser
France PresseALEGRIA ALVINEGRAMarcelinho, Luizão e Ricardinho fetejam o primeiro gol da vitória do Corinthians sobre o Raja Casablanca por 2 a 0, anteontem