Agência Estado
De São Paulo
Michael Schumacher está rindo à toa. Ontem, no circuito de Mugello, na Itália, ele conseguiu um tempo excepcional com a nova Ferrari F1-2000: 1m24s850, quase dois segundos mais rápido que a marca registrada na quinta-feira (1m26s503). A nova marca do alemão o aproximou do recorde absoluto para os 5.245 metros da pista, estabelecido em 14 de agosto de 1997 por Jarno Trulli, com Prost, 1m23s410. A diferença entre ambos os tempos é que Trulli o obteve quando a F-1 ainda usava pneus lisos, muito mais aderentes que os pneus com quatro sulcos exigidos ontem pelo regulamento da F-1.
O ímpeto de Schumacher foi tal que ele acabou batendo o carro nos pneus de proteção, mas sem danificá-lo muito. ‘‘Não foi nada, freei com força demais e muito tarde e segui reto’’, comentou. Enquanto aguardava o reparo, o alemão treinou largadas com a Ferrari F399, do ano passado. As suas más largadas têm sido atribuídas, por ele próprio, ‘‘à hipersensibildade’’ da embreagem da Ferrari.
Com o novo modelo Schumacher havia completado 56 voltas (293 quilômetros). Já com o F399 Schumacher deu 13 voltas e seu melhor tempo foi 1min27s129.
Depois do treino, Rubens Barrichello, que pela manhã trabalhou com a F399, ouviu de Schumacher: ‘‘Dispomos de um grande carro este ano; aliás trabalhei cinco anos para tê-lo e agora você o recebe já na estréia na Ferrari.’’ Os dois riram.
Rubinho completou 47 voltas e na melhor fez 1m26s517, marca melhor que o recorde da F399 para Mugello, de Schumacher, 1m26s704. Hoje e depois será a vez de Rubinho testar a F1-2000, com a dura missão de ao menos obter tempos próximos do estabelecido por Schumacher ontem.