Áureo Nogueira
De Londrina
A Seleção Brasileira, que se prepara para a disputa do Torneio Pré-Olímpico de futebol, treinou forte no seu segundo dia em Londrina. Mas continua a dúvida sobre a permanência ou o corte do atacante Denílson. O técnico Wanderley Luxemburgo, entretanto, garantiu que até amanhã a questão estará resolvida definitivamente.
‘‘O Bétis chega a radicalizar na exigência para que o jogador atue em duas partidas na Espanha, mas a CBF (Confederação Brasileira de Futebol) negocia a sua permanência na Seleção. Até depois de amanhã (quinta-feira) o assunto estará definitivamente resolvido’’, disse Luxemburgo, antes mesmo de os jornalistas começarem a entrevista coletiva concedida por ele ontem à tarde, depois do treinamento realizado no Estádio Vitorino Gonçalves Dias (VGD).
Apesar do disse-que-disse envolvendo a disputa por Denílson, o técnico da Seleção assegura que o problema não afeta o ambiente do grupo nem prejudica o rendimento do craque. Entretanto, admite que a indefinição incomoda e deve ser resolvida o mais rapidamente possível.
Demonstrando aparente tranquilidade, Denílson treinou normalmente com o grupo, pela manhã e à tarde. Mas na hora do almoço chegou a desabafar com alguns repórteres, dizendo que ele é o maior prejudicado nesta disputa.
De um lado o seu clube – o Real Bétis, da Espanha – exige sua presença nos jogos contra o Mérida, dia 12 (domingo) e contra o Athletic de Bilbao, no dia 15 (sábado da próxima semana). De outro lado, o técnico da Seleção Brasileira não abre mão de sua total dedicação ao Torneio Pré-Olímpico, que começa no dia 19, em jogo contra o Chile.
‘‘Nesta disputa, acabo sendo o maior prejudicado. Desejo muito servir à Seleção, mas também não posso ter prejuízos no clube’’, disse Denílson. ‘‘Deixo tudo nas mãos do Senhor. Ele vai resolver da melhor maneira possível’’, acrescentou.
Na Fifa – O procurador de Denílson, Luís Viana, disse ontem que, para disputar o Pré-Olímpico pela Seleção Brasileira, o atacante pode até deixar o clube espanhol. O presidente do Real Bétis, Manuel Ruiz de Lopera, ameaça romper o contrato de imagem do jogador se ele não retornar à Espanha para participar dos dois jogos.
‘‘Denílson está com a faca no peito. Qualquer decisão que tome irá acarretar em prejuízos’’, afirmou Viana. Segundo ele, o rompimento pelo clube espanhol do contrato de imagem envolve aproximadamente US$ 15 milhões.
Viana ameaçou recorrer à Federação Internacional de Futebol Associado (Fifa) para discutir o contrato global de Denílson, caso Lopera se mantenha irredutível em rescindir o contrato de imagem do jogador.
Segundo o procurador, o impasse entre clube e atleta pode até não ter uma solução imediata. ‘‘O Denílson joga o Pré-Olímpico, e a discussão será feita depois na Fifa’’, completou o procurador.