|
  • Bitcoin 102.450
  • Dólar 5,3317
  • Euro 5,5605
Londrina

Esporte

m de leitura Atualizado em 15/06/2022, 12:44

Duílio explica solução rápida e se diz triste por Jô deixar o Corinthians

PUBLICAÇÃO
quarta-feira, 15 de junho de 2022


AUTOR autor do artigo

menu flutuante

SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) - O presidente do Corinthians, Duílio Monteiro Alves, explicou como se deu o processo de rescisão de contrato de Jô após o jogador ser flagrado em uma festa e ter faltado ao treino no dia seguinte. Em entrevista ao canal do jornalista André Hernán, no YouTube, o dirigente disse que o pedido partiu do próprio atacante e que triste com a saída do ex-camisa 77 do clube.

"A rapidez [para resolver o caso] se deu, primeiro, por estar muito claro o que é aceitável e o que não é. E, segundo, pela vontade do Jô. Partiu dele esse pedido de rescisão imediatamente depois do ocorrido", afirmou Duílio. "Na solução tem muito do trabalho da diretoria de futebol com Jô e seu estafe. Acho que a solução foi boa para todos, tanto para Jô como para o Corinthians", acrescentou.

"Jô foi muito homem nesse sentido, foi o cara que ele sempre foi e mais uma vez ele mostrou isso. Ficamos muito tristes porque é um cara, primeiro que é um amigo, segundo que ele foi criado aqui dentro. Terceiro que é um ídolo da história do Corinthians e que podia nos ajudar muito ainda. Mas ele também entendeu que era o momento de parar, então por isso dessa solução rápida", completou o presidente do clube.

O atacante foi gravado em uma roda de samba na noite do dia 7 de junho, enquanto o alvinegro paulista estava em campo na Arena Pantanal enfrentando o Cuiabá, pela 10ª rodada do Campeonato Brasileiro. O atacante não tinha viajado com a delegação corintiana por estar se recuperando de um trauma na perna esquerda.

No vídeo que viralizou nas redes sociais, Jô aparece em um bar tocando um instrumento de percussão com amigos. O local exibia a partida entre Corinthians e Cuiabá no telão e, no momento da gravação, o clube já perdia por 1 a 0. Após o flagra, o jogador ainda se ausentou do treinamento do dia seguinte no CT Joaquim Grava.

Menos de 48 horas depois do início da polêmica, Jô e o Corinthians rescindiram amigavelmente o contrato, que tinha validade até o final do ano que vem. Na entrevista, Duílio comentou que, na maioria das vezes, a solução para a rescisão de contratos é uma novela longa, diferentemente do que aconteceu no 'Caso Jô'.

"Muitas vezes você tem um jogador sob contrato. E o que é legal deixar claro para o torcedor é que se você quiser mandar um jogador embora, você tem que pagar o [valor do] contrato inteiro. Então, muitas vezes isso não é possível, muitas vezes se arrasta por conta disso. O jogador não quer sair, o clube não quer mandar embora, alguém tem que pagar a multa? Então as coisas acabam não se resolvendo e atrapalhando o dia a dia", encerrou.

Cria do terrão do Parque São Jorge, Jô somou 284 jogos com a camisa do Corinthians e marcou 65 gols, sendo o artilheiro do clube no século e também da Neo Química Arena, com 30 gols. O centroavante é o único artilheiro do clube na história do Campeonato Brasileiro, feito alcançado na campanha do título em 2017.