SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Número 1 do mundo, Novak Djokovic, 36, desbancou o italiano Jannik Sinner, 22, com certa folga, e tornou-se o maior campeão do ATP Finals neste domingo (19). Na decisão do título, o sérvio venceu Sinner por 2 sets a 0 (6/3 e 6/3), em Turim, na Itália.

Djokovic chegou ao sétimo título do ATP Finals, superando o suíço Roger Federer, que parou com seis taças. O número 1 já havia sido campeão em 2022, 2015, 2014, 2013, 2012 e 2008.

Em sua 54ª edição, o ATP Finals reúne os oito melhores do ranking. Com o título, Djokovic receberá uma premiação de US$ 4,8 milhões (R$ 23 milhões) e 1.500 pontos no ranking.

Empurrado pela torcida local, o italiano, número 4 do mundo, chegou à final como o único invicto na fase de grupos. Foram quatro vitórias em Turim, incluindo a primeira da sua carreira contra o próprio Djokovic, por 2 sets a 1 (7/5, 6/7 e 7/6) na fase inicial.

Na decisão do título, porém, o sérvio se redimiu e sobrou diante de um adversário 14 anos mais novo. Djokovic sempre esteve à frente no placar e, no primeiro set, conseguiu sete aces, enquanto o italiano cometeu cinco erros não forçados.

Sinner errou menos no último set, mas viu Djokovic abrir 2 a 0 e, em nenhum momento, conseguiu alcançá-lo. A partida durou 1 hora e 42 minutos.

Maior vencedor de torneios de Grand Slam, Djokovic chegou ao 98º título em 138 decisões.

Esta foi a quinta partida entre Djokovic e Sinner, e a quarta vitória do sérvio. Antes, Djokovic já havia levado a melhor sobre o italiano pelas oitavas do ATP Masters 1000 de Monte Carlo, em 2021, pelas quartas de final de Wimblendon, em 2022, e pelas semifinais do Grand Slam inglês neste ano.

Na semifinal do ATP Finals, Djokovic também venceu com um pouco mais de tranquilidade o número 2 do mundo, o espanhol Carlos Alcaraz, por 2 sets a 0 (6/3 e 6/2).