|
  • Bitcoin 111.367
  • Dólar 5,2551
  • Euro 5,5442
Londrina

Esporte

m de leitura Atualizado em 07/06/2022, 17:43

Cuca nega procura e diz que possibilidade de ir ao Flamengo é especulação

PUBLICAÇÃO
terça-feira, 07 de junho de 2022

KLAUS RICHMOND
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

SANTOS, SP (FOLHAPRESS) - O técnico Cuca, 59, assegura ainda não ter propostas para voltar ao futebol.

Apontado nos últimos dias como potencial substituto do português Paulo Sousa no Flamengo –que sofre intensa pressão–, ele chamou de especulação e inverídica uma possível conversa para assumir o clube carioca.

"Eu tirei esse período para cuidar da família, cuidar das coisas e dar andamento a um projeto que tenho, um projeto social para crianças que está indo muito bem. Está em Brasília [a proposta do projeto] e para ser aprovado para darmos partida aqui, é algo que quero muito fazer", disse à reportagem.

"Estou imbuído nisso [projeto social]. Claro que tem especulações [para voltar ao futebol], mas são só especulações. Não tem nada de verídico acima dessas especulações", completou.

Em 2021, no Atlético Mineiro, Cuca venceu o Campeonato Brasileiro –título que a equipe não levava havia 50 anos–, a Copa do Brasil e o Campeonato Mineiro. Está sem clube desde o anúncio do fim da passagem pela agremiação de Belo Horizonte em 28 de dezembro.

Na ocasião, apontou à diretoria problemas familiares e informou a impossibilidade de continuar com o contrato até o fim de 2022.

O Atlético confirmou a versão explicando que tentou demovê-lo da ideia, buscando um caminho no qual fosse possível conciliar questões particulares com o trabalho, e disse que Cuca se comprometeu a não trabalhar em nenhum outro time em 2022.

A repercussão em torno de um acordo com o Flamengo ganhou ainda mais desdobramentos pelo recente vazamento de ameaças que teriam sido feitas pelo irmão mais novo do treinador, Amauri Stival, a um torcedor do clube nas redes sociais.

No conteúdo, ele é cobrado sobre o caso policial vivido por Cuca em 1987, enquanto jogador do Grêmio, em uma excursão do clube gaúcho a Berna, na Suíça. Ele e três companheiros de time –Eduardo Hamester, Fernando Castoldi e Henrique Etges– foram detidos e condenados por violência sexual a uma menor de 13 anos.

Cuca já jurou inocência publicamente ao lado da família, mas o caso ainda ecoa sempre que seu nome é cogitado em um novo clube. Para contratá-lo, o Atlético tratou o assunto como "superado", dizendo acreditar em sua palavra.

Paulo Sousa, por sua vez, vive momento delicado no Flamengo. O risco de queda se intensificou após a derrota por 2 a 1 para o Fortaleza, diante de mais de 63 mil torcedores no Maracanã, em confronto no último domingo (5), válido pela nona rodada do Brasileiro.

As próximas partidas, diante de Red Bull Bragantino e Internacional, ambas fora de casa, são consideradas fundamentais para sua permanência.

O treinador comandou normalmente o treino de segunda (6), no Ninho do Urubu, sob olhares dos dirigentes Marcos Braz, Bruno Spindel, Fabinho e Juan.

Um dos maiores entraves para a quebra de acordo com Sousa, contratado no fim de dezembro após rescisão com a seleção polonesa, ainda é a multa estimada pelo número de salários até o fim da temporada: R$ 7,7 milhões. O acordo vai até dezembro de 2023.

Além da falta de resultados, minaram o técnico português declarações mal digeridas em entrevistas. Após a vitória por 3 a 0 sobre a Universidad Católica, pela Copa Libertadores, ele disse que, na véspera, o goleiro Diego Alves teria se reunido com Bruno Spindel para dizer que tinha condições de jogo. Fato negado pelo jogador, que estava em recuperação de lesão.

Mais recentemente, o treinador atribuiu a derrota para o Fortaleza a erros individuais cometidos pelos jogadores. O que não costuma ser bem recebido pelos atletas.

"O que aconteceu em termos técnicos individualmente foi algo sem precedente que não vai acontecer. Foi muito fraco individualmente", desabafou logo após a partida.

Desde a saída de Jorge Jesus –que obteve cinco troféus em um ano–, em julho de 2020, o Flamengo teve quatro treinadores: Domènec Torrent, Rogério Ceni, Renato Gaúcho e Paulo Sousa. Ceni foi quem permaneceu por mais tempo –oito meses e três títulos conquistados –, mas sucumbiu à pressão.

Cuca já treinou o Flamengo em duas oportunidades, a primeira delas em 2005 e a segunda em 2009. Foram 39 jogos –19 vitórias, 13 empates e sete derrotas–, com a conquista de um Campeonato Carioca.