|
  • Bitcoin 102.000
  • Dólar 5,3317
  • Euro 5,5605
Londrina

Esporte

m de leitura Atualizado em 17/05/2022, 23:44

Com briga e dois expulsos, Corinthians segura o Boca e empata na Bombonera

PUBLICAÇÃO
terça-feira, 17 de maio de 2022

YAGO RUDÁ
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) - Nesta terça-feira (17), o Corinthians enfrentou seu jogo mais complicado na fase de grupos da Copa Libertadores e, mesmo fora de casa, na Bombonera, ficou no empate em 1 a 1 com o Boca Juniors. Na etapa final, depois dos gols de Du Queiroz e Benedetto no primeiro tempo, o time paulista viu o volante Cantillo e também o técnico Vítor Pereira serem expulsos após confusão com a equipe argentina. Mesmo com um a menos em campo, o clube alvinegro segurou o resultado e se manteve na liderança do Grupo E.

O time brasileiro começou melhor a partida adotando a marcação alta e incomodando o Boca Juniors na saída de bola. Logo no começo do jogo, o Corinthians abriu o placar com Du Queiroz, mas logo viu os xeneizes crescerem e empatarem com Benedetto. O segundo tempo foi todo dos argentinos, que pressionaram o Corinthians de todas as formas e, mesmo com a vantagem numérica, não conseguiram furar a retranca defensiva do time de Vítor Pereira.

O resultado leva o Corinthians aos oito pontos ganhos e na liderança do Grupo E. O Boca Juniors chega aos sete, mantém a vice-liderança, mas pode ser ultrapassado ainda nesta rodada dependendo do resultado entre Deportivo Cali e Always Ready, quinta (19), na Colômbia. O time paulista decide a vaga no dia 26, em Itaquera, diante da equipe boliviana precisando de apenas uma vitória para se garantir nas oitavas de final da Copa Libertadores.

Horas antes de a bola rolar na Bombonera, os corintianos foram vítimas, de novo, de racismo. Em vídeo gravado por um brasileiro na Bombonera, com o estádio ainda praticamente vazio, um torcedor do Boca se dirige ao setor reservado para os visitantes imitando um macaco. A situação é muito parecida com o que houve na partida de ida, na Neo Química Arena, quando um argentino foi preso nas arquibancadas de Itaquera.

No Corinthians desde a pré-adolescência e, atualmente, um dos atletas mais utilizados por Vítor Pereira no elenco, coube ao volante Du Queiroz abrir o placar na Bombonera. Aos 15 minutos do primeiro tempo, o time alvinegro teve escanteio pela esquerda, a zaga do Boca afastou mal e a bola ainda resvalou em Raul Gustavo antes de encontrar Du. De perna esquerda, o meio-campista bateu cruzado e venceu o goleiro Rossi.

Com a vantagem no marcador, o Corinthians abaixou as linhas de marcação em busca dos contra-ataques. A consequência foi o Boca Juniors com maior posse de bola e ocupando o campo de ataque. Mesmo distante de um grande desempenho e agredindo pouco o sistema defensivo coritiano, os xeneizes chegaram ao empate com Benedetto em chute cruzado dentro da área.

O início do segundo tempo foi todo do Boca Juniors, que ficou muito próximo da virada. Em um erro na saída entre Raul e Maycon, os argentinos recuperaram a bola na entrada da área e o meia Salvio saiu cara a cara com Cássio, mas parou nas mãos do goleiro corintiano. Logo na sequência, Piton errou um cabeceio e deixou Zeballos entrar livre na área. A jogada, no entanto, foi anulada após impedimento no lance seguinte.

Insatisfeito com o rendimento do Corinthians no segundo tempo, o técnico Vítor Pereira fez três mudanças de uma vez só para consertar a marcação e bloquear o avanço argentino. O colombiano Cantillo entrou na vaga de Maycon, Gustavo Mantuan tomou a posição de Robson Bambu e Renato Augusto saiu do banco para ocupar a vaga de Willian. Com isso, o time alvinegro abriu mão do esquema com três zagueiros.

Com o Boca Juniors pressionando o Corinthians evitando a todo custo não levar o empate, os jogadores das duas equipes começaram a se estranhar e não demorou para que a confusão em campo começasse. Primeiro, Raul Gustavo e Benedetto bateram boca e depois foi a vez de Fábio Santos e Cássio brigarem com os argentinos.

Durante a confusão, o volante Cantillo passou a reclamar muito com o trio de arbitragem e, no meio da briga, empurrou Pol Fernández ao chão. O árbitro deu cartão vermelho direto ao corintiano e amarelo para o atleta do Boca. O técnico Vítor Pereira entrou em campo para cobrar satisfações do trio de arbitragem e também foi expulso.

O Corinthians volta a campo no domingo (22), às 16h (de Brasília), para encarar o São Paulo, na Neo Química Arena, pela sétima rodada do Campeonato Brasileiro. Além do tabu em Itaquera, o Majestoso vale a liderança da competição nacional.

O Boca Juniors encara o Tigre no mesmo dia e horário pela final da Copa da Liga Argentina. A partida acontece na Bombonera.

BOCA JUNIORS

Rossi; Advíncula, Zambrano, Izquierdoz e Fabra; Fernández, Varela, Romero e Salvio; Benedetto e Zeballos (Vázquez). T.: Sebástian Battaglia.

CORINTHIANS

Cássio; Robson Bambu (Gustavo Mantuan), João Victor e Raul Gustavo; Lucas Piton (Gil), Du Queiroz, Maycon (Cantillo) e Fábio Santos; Gustavo Mosquito, Willian (Renato Augusto) e Jô (Júnior Moraes). T.: Vítor Pereira.

Estádio: La Bombonera, em Buenos Aires (Argentina)

Árbitro: Christian Ferreyra (URU)

Auxiliares: Nicolas Taran (URU) e Marin Soppi (URU)

Cartões amarelos: Varela, Benedetto e Pol Fernández (BOC); Jô, Gustavo Mantuan, Raul Gustavo, Renato Augusto e Robson Bambu (COR)

Cartões vermelhos: Cantillo e Vítor Pereira (COR)

Gols: Du Queiroz (COR), aos 15' , e Benedetto (BOC), aos 41'/1ºT.