|
  • Bitcoin 103.924
  • Dólar 5,3317
  • Euro 5,5605
Londrina

No Catar

m de leitura Atualizado em 18/06/2022, 00:27

Com a arbitragem no DNA, paranaense comemora convocação para a Copa

Bruno Boschilia será um dos assistentes do Brasil no Mundial do Catar; Último representante do Paraná foi Roberto Braatz, em 2010

PUBLICAÇÃO
sábado, 18 de junho de 2022

Lucio Flávio Cruz - Grupo Folha
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

Depois de 12 anos, um representante da arbitragem do Paraná estará novamente na Copa do Mundo. Aos 39 anos, Bruno Boschilia será um dos sete árbitros e assistentes brasileiros a trabalhar nos gramados do Mundial do Catar, que será disputado entre 21 de novembro e 18 de dezembro. 

Imagem ilustrativa da imagem Com a arbitragem no DNA, paranaense comemora convocação para a Copa Imagem ilustrativa da imagem Com a arbitragem no DNA, paranaense comemora convocação para a Copa
|  Foto: @pequenofotos
  

Formado em 2001 e no quadro da Fifa desde 2014, o curitibano vive o auge da carreira e fala com exclusividade à FOLHA sobre a convocação e a oportunidade de trabalhar no maior evento esportivo do mundo. "É um momento de grande felicidade e uma realização pessoal e profissional. Ao mesmo tempo sei do tamanho da responsabilidade em representar a arbitragem brasileira e paranaense", comenta.

Formado em educação física pela UFPR (Universidade Federal do Paraná) - atualmente faz doutorado na instituição -, Boschilia é servidor da Secretaria Municipal de Esportes de Curitiba e tem no sangue o DNA da paixão pelo futebol e pela arbitragem. Seu pai, Luiz Boschilia, foi árbitro da Federação Paranaense, e o primo do pai, Dulcídio Wanderley Boschilia, um dos principais árbitros do país nas décadas de 1970 e 1980. 

"Desde criança sempre gostei muito de futebol e tentei jogar até uns 15 e 16 anos. Mas não tive muito sucesso e habilidade para ser atleta. Quando comecei o curso de educação física surgiu a possibilidade da arbitragem. Fui provar, gostei e não saí mais", revela. 

Apesar do curso de formação de árbitros habilitar para a função de árbitro e assistente, Boschilia sempre preferiu ser assistente e afirma "que provavelmente eu não seria um bom árbitro". O paranaense ressalta que a função à beira do gramado também mudou muito ao longos dos anos. 

"Os assistentes foram ganhando responsabilidades e funções e hoje em dia o trabalho da arbitragem é em equipe, inclusive com o quarto árbitro. Hoje o assistente participa ativamente do jogo", aponta. 

LINHAGEM

Bruno Boschilia segue a linha de grandes árbitros paranaenses que brilharam em competições nacionais e internacionais. O assistente cita Roberto Braatz, que foi o primeiro 'bandeirinha' do Paraná a trabalhar em uma Copa do Mundo, no Mundial da África do Sul, em 2010. Entre as suas referências, faz questão de citar dois londrinenses. 

"O Héber - Héber Roberto Lopes - esteve na minha formatura e foi quando ele estava entrando na Fifa. Era um ídolo para mim. A minha estreia na Série A, em 2009, foi com ele e em 2016 trabalhamos juntos na Copa América e fizemos a final. Se tornou um companheiro e um grande amigo, por quem tenho muito respeito", frisa. "O Afonso - Afonso Vítor de Oliveira - é outra referência para mim. É recordista em apitar Atletibas e não é referência apenas como árbitro. Assumiu a Comissão de Arbitragem do Paraná em um momento turbulento e moralizou e qualificou o trabalho dos árbitros paranaenses". 

VAR

A Copa do Mundo do Catar será a segunda com o uso do VAR (Árbitro de Vídeo) e Bruno Boschilia se ampara nos números e estatísticas que mostram a diminuição dos erros de arbitragem após a implementação da tecnologia. "Hoje não temos mais gol impedido. Claro que ainda estamos em um processo de transição, mas tem avançado e melhorado o uso, inclusive em relação à velocidade das decisões. A própria Fifa criou o quadro de VAR, com árbitros especialistas", pontua. 

Apesar das reclamações e das críticas em relação à arbitragem brasileira, Boschilia faz questão de ressaltar a qualidade dos nossos árbitros, até pelo número de brasileiros convocados para a Copa do Mundo. "O Brasil será o país com o maior número de árbitros na Copa. Isso mostra a força do nosso futebol e do nível da nossa arbitragem". 

Além de Bruno Boschilia, foram chamados os árbitros Raphael Claus e Wilton Pereira Sampaio, e os assistentes Neuza Back, Rodrigo Figueiredo, Bruno Pires e Danilo Simon. O Brasil não terá representantes entre os árbitros de vídeo. 

Bruno Boschilia se mantém em um quadro seleto no país onde apenas 10 árbitros e 10 assistentes estão no quadro da Fifa. O paranaense ressalta, no entanto, que hoje os árbitros precisam se dedicar exclusivamente à profissão, em razão das exigências físicas, técnicas e psicológicas, mas muitos necessitam conciliar o apito com outras atividades. 

"As maiores ligas do mundo já profissionalizaram a arbitragem e espero que um dia possamos chegar a isso também no Brasil", completa. 

Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link