São Paulo - Há muito tempo Interlagos não recebia um GP do Brasil com tão poucos atrativos. Palco de várias decisões de campeonato, como a de 2008, em que Felipe Massa quase se consagrou, o autódromo está preparado para uma melancólica despedida de temporada neste domingo. Afinal, o alemão Sebastian Vettel assegurou o bicampeonato no início do mês passado, no Japão. Mas seria injusto dizer que a corrida, que terá largada às 14 horas, será totalmente destituída de interesse.
Embora alguns disfarcem, diversos pilotos a encaram como uma valiosa oportunidade para ganhar alguns pontinhos na apreciação de quem de fato decide nas equipes.
Mark Webber é um dos que têm algo a conquistar em Interlagos. E não é exatamente o vice-campeonato mundial que o atrai. Com 233 pontos, tem a possibilidade de concluir o ano como o segundo colocado na classificação, desde que supere Jenson Button (255) e Fernando Alonso (245). Mas, de maneira jocosa, ele desdenha dessa ''glória''. Nem pensa em pedir a ajuda de Vettel para um jogo de equipe.
''Não, prefiro contar apenas comigo mesmo. Até mesmo porque ninguém se recorda dos vice-campeões. Você lembra quem foi vice em 2003?'', indaga ao jornalista que tocou no assunto.
Mais importante que o vice, o que Webber pode almejar é uma pequena melhora num quadro de esmagadora superioridade de Vettel no duelo dos pilotos que conduzem carros da Red Bull. O alemão tem 11 vitórias em 2011 contra nenhuma dele.
Outro que busca uma melhora em seus números é Felipe Massa. Neste ano, o brasileiro não conseguiu nada melhor do que a quinta colocação - por quatro vezes. Seu companheiro de equipe, Fernando Alonso, tem 137 pontos de vantagem sobre ele. Uma verdadeira lavada.
Diante desse quadro desolador, nada melhor do que uma vitória em casa, o que já obteve duas vezes, para fortalecer o seu moral. ''Quando temos a última corrida no Brasil, não podemos simplesmente esquecê-la e pensar no ano seguinte. Quando se corre em casa, é como se tivéssemos um campeonato à parte.''
Até mesmo campeões mundiais estão desafiados a mostrar algo melhor no Brasil. É o caso de Lewis Hamilton, que também foi superado por seu companheiro de McLaren, Button, além de ter se envolvido em diversas polêmicas por causa de manobras questionáveis ao longo do campeonato. ''É sempre bom terminar a temporada em alta'', disse. ''Você é apenas tão bom quanto a sua última corrida - pelo menos é isso que as pessoas dizem - e seria ótimo vencer em Interlagos, um circuito em que eu nunca venci antes. Quero que uma vitória do Lewis Hamilton seja a última coisa na cabeça das pessoas quando sairmos de férias.''
Se até Hamilton tem algo a provar, Bruno Senna, que disputa vaga na Lotus Renault, tem interesses em jogo de sobra neste fim de semana. ''Estou trabalhando muito duro por um assento. Aqui terei muita pressão mas também muita motivação.''
Quanto a Rubens Barrichello, a prova pode ser sua última na categoria. Ele tem contrato com a Williams somente até o final deste ano e segue sem perspectivas para 2012, quando poderá completar 20 anos na Fórmula 1.

Imagem ilustrativa da imagem Coadjuvantes querem mostrar valor no GP do Brasil de F-1