SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) - Henry Cejudo se aposentou do UFC no dia 9 de maio de 2020 após defender o cinturão da categoria peso galo contra Dominick Cruz. Neste sábado (6), o americano retorna ao octógono para desafiar Aljamain Sterling, atual campeão dos galos, para alcançar o topo da organização mais uma vez.

O QUE CEJUDO FEZ NA APOSENTADORIA?

Em entrevista ao UOL, Cejudo explicou que usou o tempo parado para aproveitar sua família e fazer coisas diferentes do que estava acostumado.

Tempo para aproveitar a vida: "Eu precisava de um tempo para aproveitar a vida. Queria curtir minha família, era uma nova etapa da minha vida. Quando aposentei, não quero falar chateado com o esporte, mas ainda queria fazer coisas diferentes e ainda ser competitivo. Fiz reformas na minha casa, entendi um pouco mais sobre ser comentarista, viajei o mundo, e aproveitar a minha esposa — que é brasileira (risos)".

Ter filho é caro: "Quando eu ganhei as Olimpíadas [Cejudo tem um ouro olímpico no wrestling nas Olimpíadas de Pequim, em 2008] eu tinha 21 anos, eu queria parar com tudo depois dos 29. Aposentei aos 33, lutei quatro anos a mais do que eu achei. Eu quero estar na vida dos meus filhos e estar no camping requer muito do meu tempo. Eu, mais do que tudo, quero fazer história e quero fazer dinheiro. Ter filho é caro [risos]".

Família aumentando. Henry Cejudo anunciou há uma semana que ele e Ana Karolina, sua esposa que é brasileira, estão esperando o segundo filho —eles já são pais de America Maria Cejudo.

CEJUDO DIZ QUE É UMA PESSOA CHATA, POR ISSO ESTÁ DE VOLTA

Cejudo é um dos lutadores mais emblemáticos do UFC. Durante seu reinado na organização, ele foi campeão da categoria peso mosca (até 57 kg) e galo (até 61 kg).

O 'Triple C' diz que se considera uma pessoa chata, que é movida pela competição, e é por isso que o ex-campeão está de volta. Em doze lutas no UFC, o americano venceu dez e perdeu apenas duas.

Cejudo compete consigo mesmo: "Eu vou continuar lutando porque ainda sou novo e ainda quero competir comigo mesmo. O que minha mente está pensando, eu quero fazer com o meu corpo. É uma competição comigo mesmo, eu sou o número 1 e depois vem o meu rival. Eu adoro a competição, e isso me motiva mais que tudo. Muita gente não acredita em mim, e eu quero mostrar para mim mesmo que eu sou capaz".

Buscando novos fãs: "Nos últimos três anos o esporte cresceu muito. Muitos fãs atuais nunca me viram lutar, então vai ser muito bom para mim, depois de três anos poder retornar. Me sinto muito bem, estou confiante, estou acostumado a sentir a pressão, mas sei que ele está sentindo mais. Ele vai lutar no estado onde nasceu e cresceu, vou lutar na casa dele. E ele vai enfrentar um cara chato. Essa é a minha pessoa. Eu gosto de ser chato. Eu gosto de ganhar, não importa".

UFC 288

O UFC 288 acontece neste sábado, no Prudential Center em Newark, New Jersey, nos Estados Unidos. As lutas do card preliminar começam às 19h (de Brasília) e o principal às 23h.

O evento terá sete brasileiros em ação. Durinho, Jéssica Bate-Estaca, Diego Lopes, Kron Gracie, Marina Rodriguez, Virna Jandiroba e Cláudio Ribeiro.