O brasileiro já se acostumou a reclamar do nível dos jogos do Campeonato Brasileiro, detonar jogadores e técnicos e alegar que nada do que se faz por aqui está certo. Besteira! Bastou abrir os olhos ontem para ver uma partida de alto nível (e com ótimo público) no Mineirão. O Cruzeiro, que não desperdiçou chances como o Santos, acabou levando a melhor com 3 a 0 e o retorno ao topo da tabela, agora com 33 pontos ganhos.
O jogo foi agradável de ver por dois motivos: os treinadores têm vocação ofensiva e os jogadores não tiveram interesse em cavar faltas ou iludir a arbitragem. Um jogo leal em que a bola rolou e a coletividade do Cruzeiro fez a diferença. Mesmo quem perde não sai de cabeça baixa!
Pressionado pelo Internacional, que colocou sua liderança em risco pela primeira vez, o Cruzeiro começou na pressão, acuando o Santos. Aos 20 minutos, Everton Ribeiro marcou um gol após dominar de mão e a jogada foi anulada pela arbitragem. Mas o lance mostrou a necessidade ao time visitante de sair da defesa e buscar espaços, principalmente com Cicinho e Robinho. Com os dois acesos, o Peixe criou algumas chances de gol, mas as conclusões de Leandro Damião e Thiago Ribeiro deixaram a desejar. E como...
Até que Everton Ribeiro bateu falta na entrada da área, a bola desviou no meio do caminho e enganou o goleiro Aranha. Pelo posicionamento de Marcelo Moreno (à frente do último zagueiro) e sua interferência na jogada, os debates são justos.
Inteiro no jogo e igualmente ofensivo, o Santos até mereceu o empate pela criatividade. Não pelas finalizações... E como do outro lado estava o Cruzeiro, bastaram dois minutos da etapa complementar para Egídio, Willian e Ricardo Goulart tabelarem na entrada da área e Aranha falhar de novo para deixar o artilheiro do Brasileirão ainda mais isolado.
Ainda houve tempo para um contraataque aos 42 minutos coroar o centésimo jogo de Marcelo Oliveira pela entrada de Júlio Baptista. 3 a 0. Placar que o Santos não mereceu, mas o Cruzeiro sim, por mais incoerente que essa frase possa parecer.
Foi essa a diferença dos dois times leais, ofensivos e de qualidade: o Cruzeiro joga junto há dois anos, e aproveitou chances. O Santos joga há três semanas, e não foi nada eficiente.
Goleada que põe o Cruzeiro de volta no topo e afasta mais do G4 o Santos, de três derrotas seguidas.

Imagem ilustrativa da imagem CAMINHÃO AZUL ATROPELOU!
Imagem ilustrativa da imagem CAMINHÃO AZUL ATROPELOU!
Imagem ilustrativa da imagem CAMINHÃO AZUL ATROPELOU!
Imagem ilustrativa da imagem CAMINHÃO AZUL ATROPELOU!