Lúcio Horta
De Londrina
O Estádio do Café poderá ter até 940 ambulantes trabalhando durante os jogos do Pré-Olímpico. No total, serão 47 boxes exclusivos para vendas de lanches, salgadinhos, águas e sucos, além de souvenirs – bonés, camisetas e bandeirinhas. Cada box poderá contar com no máximo 20 pessoas percorrendo as arquibancadas e vendendo os produtos. O número foi definido numa reunião entre ambulantes e comissão organizadora, realizada no final da tarde de ontem. A expectativa da organização, no entanto, é que o total de ambulantes no Estádio seja de 600, aproximadamente – nem todos os boxes trabalharão com o número máximo de pessoas.
Durante os jogos, os ambulantes serão facilmente identificados: eles estarão vestindo camisetas verde-limão, com a logomarca oficial do torneio. Segundo Marcos Colli, membro da comissão organizadora e responsável pelo comércio dentro do Estádio do Café, todos os 47 boxes já foram ocupados. Os responsáveis tinham a licença para trabalhar desde a época da extinta Autarquia Municipal do Esporte e Turismo (Ametur). Por isso, explica Colli, não houve nova escolha. ‘‘Essas pessoas já trabalham lá havia muito tempo, tiveram bons e maus jogos. Não seria justo, agora, eles se submeterem a uma disputa’’, justificou.
A prefeitura cobrará uma taxa de quem for trabalhar nos jogos. O box que estiver comercializando produtos mais baratos, como pipocas, amendoim, sorvetes e balas, pagará R$ 80,00 para cada rodada dupla; já no caso dos produtos mais caros, como lanches e sucos, o valor sobe para R$ 120,00. A única exceção será na rodada do dia 21 de janeiro, quando a Seleção Brasileira não estará em campo: como o público, neste dia, deverá ser menor, todo box pagará apenas R$ 50,00. Esses valores incluem um kit com cinco camisetas; quem trabalhar com mais pessoas, deverá comprar camisetas adicionais.
Marcos Colli informou que o dinheiro arrecadado com os ambulantes servirá para cobrir as despesas com a produção de camisetas e fiscalização. No total, cerca de 100 fiscais da comissão estarão dentro do estádio acompanhando a atuação dos ambulantes. Se houver sobra de dinheiro, a renda será revertida para o município.
Um dos cuidados da comissão é não permitir a comercialização de produtos com embalagens que possam oferecer risco para a segurança das pessoas dentro do estádio. Garrafas plásticas ou de vidro, latinhas e sacos plásticos – que podem ser arremessados sobre o público ou no campo – estão proibidos.
A venda de cerveja e refrigerante será exclusiva dos sete bares existentes dentro do estádio. Os ambulantes, no entanto, poderão adquirir estes produtos diretamente dos bares, a preços menores, e vender nas arquibancadas. Para o torcedor, de qualquer forma, o preço será único: R$ 1,50, tanto para cerveja quanto para refrigerante, no bar ou com o ambulante. Os produtos serão da Coca-Cola (cerveja Kaiser), patrocinadora oficial da Seleção. A venda da cerveja foi liberada esta semana pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF).