Alexandre Barros deve decidir até o GP de Motegi, domingo, no Japão, em qual categoria irá correr em 2001. O piloto tem proposta para se transferir para a Superbike, categoria que conta com motores de 600cc ou superiores, mais popular na Europa.
‘‘A Superbike abriu uma possibilidade de um contrato a longo prazo, de dois a três anos. Além disso, me ofereceram uma moto competitiva, com condições de lutar de igual para igual com outros pilotos’’, afirmou Barros. Atualmente o piloto da Honda está em quinto na classificação geral do Mundial das 500 cc.
‘‘Nas últimas duas semanas, após várias reuniões com os patrocinadores, a coisa melhorou. Há a possibilidade de a Rede Globo entrar definitivamente com esquema de cobertura como o da F-1’’, disse, afirmando ter feito contatos com representantes de multinacionais e empresas brasileiras.
A única possibilidade de continuar competindo no Mundial das 500cc seria conseguindo uma moto em condições de disputar o título. O brasileiro estreou na categoria em 1990 e, desde então, disputou 145 GPs – segundo piloto com mais provas na carreira – e teve somente três vitórias.
Para conseguir o sonhado título, o primeiro passo seria que a Honda do Brasil conseguisse da matriz japonesa peças de ponta, que ofereçam boas condições para a temporada do ano que vem. ‘‘O Valentino Rossi (piloto da Honda que venceu o GP Brasil) já competiu este ano com o protótipo de 2001’’, informou.
Barros conseguiu anteontem, pela primeira vez, subir ao pódio na etapa brasileira da categoria. Em 1999, ele fez boa corrida, mas ficou em quarto lugar. ‘‘Acho que subir ao pódio abre mais expectativa para o futuro do esporte no Brasil’’, disse o piloto, que completa 30 anos no dia 18.