Londrina, 19 (AE) - Segue avaliação do desempenho dos jogadores na partida entre Brasil x Chile, pelo Torneio Pré-Olímpico. BRASIL Sílvio - Apenas assistiu ao jogo. Frio, não conseguiu evitar o gol de Pizarro. Mancini - Nervoso, errou muitos passes. Foi discreto no apoio ao ataque. Nas poucas vezes em que chegou à linha de fundo, não fez bons cruzamentos. Edu - Jogou pouco tempo. Fábio Bilica - Atuação discreta na defesa. Desceu muito ao ataque. álvaro - Seguro no combate. Procurou orientar os companheiros em campo. Fábio Aurélio - Esteve muito marcado, mas mostrou disposição em ir para a frente. Criou boas chances de ataque. Na marcação, teve pouco trabalho. Baiano - Seu bom trabalho no meio-de-campo facilitou a vida dos zagueiros. Às vezes, abusou das jogadas bruscas. Mozart - Quis incorporar o espírito olímpico defendido pelo técnico Wanderley Luxemburgo, mas esqueceu-se da parte técnica. Fabiano - No primeiro tempo, esteve desligado em campo. Teve uma participação discreta, procurando jogar para o time. Apesar de ter sido escalado com uma função mais ofensiva, ficou preso na defesa, o que irritou o treinador. Alex - Novo capitão da equipe, não foi um líder em campo, mas esbanjou criatividade e habilidade. Fez um belo gol. Ronaldinho - Com toques de habilidade, provou por que é um dos destaques da seleção brasileira. Armou as principais jogadas de ataque. Rápido, foi importante nos contra-ataques. Warley - Jogou pouco tempo. Fábio Júnior - Teve pouca movimentação em campo. Foi muito marcado pelos chilenos, que atuavam com três zagueiros. Nas poucas em vezes que conseguiu furar a retranca adversária, não aproveitou as oportunidades de marcar. CHILE Di Gregorio - Alternou boas defesas e alguns erros. Não comprometeu. Alvarez - Teve muito trabalho com as descidas de Fábio Aurélio e Ronaldinho. Estava tão preocupado em marcar, que mal foi ao ataque. Tem bom vigor físico, mas, tecnicamente, é muito fraco. Reynero - Jogou pouco tempo. Maldonado - Aliou técnica e raça. Soube dar chutões na hora certa. Contreras - Líbero da equipe, comandou a entrosada defesa chilena. Olarra - Eficiente nas bolas rasteiras. Teve dificuldades no jogo aéreo. Tello - Fraco na marcação e péssimo no toque de bola. Errou diversos passes curtos e, quando apoiava, não causava perigo. Mesmo assim, foi muito acionado no primeiro tempo. Melendez - Teve muita disposição, garra e aplicação tática em campo. Orlazabal - Esforçado, correu muito, deu carrinhos, mas não foi criativo o suficiente para levar o Chile à área brasileira. Pizarro - Principal articulador da equipe. A bola sempre passava por seus pés antes de chegar ao ataque. Mostrou ser um meia habilidoso e versátil. Correu o campo inteiro. Héctor Tapia - Apesar da boa movimentação, teve poucas chances de chegar ao gol. Rápido, tentou enganar os zagueiros brasileiros com jogadas de corpo. Fez alguns bons arremates. Navia - Correu muito, tentando abrir espaços para o companheiro Héctor Tapia. Não teve, porém, um bom domínio de bola, tendo uma atuação apagada. Mal chutou a bola ao gol de Sílvio. Gutierrez - Jogou pouco tempo.