|
  • Bitcoin 106.344
  • Dólar 5,2504
  • Euro 5,5226
Londrina

Esporte

m de leitura Atualizado em 18/06/2022, 18:33

Brasil fecha Mundial de Natação Paralímpica com 53 medalhas, triplo de 2019

PUBLICAÇÃO
sábado, 18 de junho de 2022

DEMÉTRIO VECCHIOLI
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) - Por conta da variedade de provas e classes, o Brasil está acostumado a ganhar muitas medalhas no Mundial de Natação Paralímpica. Mas o que é "muito"? Em 2019, isso representou uma coleção de 17 medalhas. Na competição que terminou neste sábado (18) na Ilha da Madeira, em Portugal, o patamar foi outro, mais do que o triplo da última edição. No total, foram 53 pódios.

Os números foram inflados pela ausência da China, que não mandou representantes para o Mundial, e da Rússia, que está suspensa. Mas isso não tira o brilho da campanha do Brasil, que foi ao pódio com 30 atletas diferentes em provas individuais.

Neste sábado, caiu o recorde que faltava cair: de medalhas de ouro. Foram 19 no total, o que fez com que a campanha no quadro de medalhas, que privilegia os títulos, tenha sido melhor do que a de 2017. Cinco anos atrás o Brasil ganhou 18 de ouro, nove de prata e nove de bronze. Agora foram 19 de ouro, dez de prata e 24 de bronze.

No quadro geral, o Brasil só ficou atrás da Itália (27 de ouro e 64 no total) e dos Estados Unidos (24 de ouro e 40 no total). Em Tóquio, quando fez a melhor campanha paralímpica de sua história em total de medalhas, o Brasil ganhou 23, sendo oito de ouro.

Individualmente, o país teve alguns dos destaques da competição, como Carol Santiago, que dominou as provas da classe S12, para deficientes visuais, e fechou o Mundial com seis ouros e sete medalhas no total. O estreante Samuel Oliveira (S5), de 16 anos, e os já astros paralímpicos Gabriel Bandeira (S14) e Gabriel Araújo (S2) faturaram, cada um, três de ouro. Samuca ainda ganhou duas pratas e, Bandeira, uma de prata e duas de bronze.

Mariana Ribeiro (S9), com dois ouros e um bronze, e Cecília Jerônimo de Araújo (S8), com um ouro e um bronze, também foram campeões mundiais em provas individuais na Madeira.