Áureo Nogueira
De Londrina
Enquanto o Comitê Local de Organização do Torneio Pré-Olímpico ultima os preparativos para receber a Seleção Brasileira na segunda-feira, o presidente do Real Betis (da Espanha), Manuel Ruiz de Lopera, exige a presença do atacante Denílson em três jogos do Campeonato Espanhol.
O dirigente espanhol não quer liberar Denilson para as fases de preparação e disputa do Pré-Olímpico. Lopera exige a presença do atacante brasileiro nas partidas contra o Mérida e o Atlético de Bilbao, na semana de 9 a 16 de janeiro – durante a fase de preparação da Seleção Brasileira – e contra o Deportivo La Coruña, no dia 23 – já durante a disputa do torneio sul-americano.
‘‘Precisamos começar a pensar em alguma forma para que o Betis não tenha nenhum prejuízo’’, declarou o presidente, acrescentando que se Denilson não obedecer às determinações, poderá romper o contrato de imagem do jogador.
O procurador de Denilson, Luiz Viana, afirma que o jogador vai permanecer na Espanha o tempo que o Betis determinar – mesmo contra os interesses da Confederação Brasileira de Futebol (CBF).
A CBF ainda não se pronunciou sobre as exigências do Real Betis. Mas o nome de Denilson aparece na relação dos jogadores que na segunda-feira desembarcam em Londrina procedentes de São Paulo.
Preparativos – A organização para receber a delegação brasileira está praticamente concluída. O esquema de segurança já foi testado e aprovado, as obras no Estádio Vitorino Gonçalves Dias (VGD) – centro de treinamento da Seleção – estão concluídas, faltando apenas a instalação do sistema de som da Sala de Imprensa e o último corte da grama, programado para a manhã de segunda.
‘‘Está tudo sob controle. Acredito que o comitê local atendeu a contento todas as exigências da CBF. Vamos oferecer à nossa seleção as melhores condições possíveis para a fase de preparação e também de disputa da vaga nas Olimpíadas’’, disse o coordenador-geral, Gustavo Santos.
No Estádio do Café, as obras de reforma e adequação ainda prosseguem por alguns dias. Ganhou novo gramado, cuja espécie é a esmeralda – a mesma utilizada nos estádios Maracanã, Morumbi e Mineirão; e Sala e Centro de Imprensa.