|
  • Bitcoin 147.871
  • Dólar 5,0617
  • Euro 5,2708
Londrina

Esporte

m de leitura Atualizado em 20/03/2022, 21:37

Atleta do Londrina faz B.O. por suposto racismo de torcedor do Athletico-PR

PUBLICAÇÃO
domingo, 20 de março de 2022


AUTOR autor do artigo

menu flutuante

RIO DE JANEIRO, RJ (UOL/FOLHAPRESS) - O lateral direito do Londrina, Samuel Santos, acusou um torcedor do Athletico-PR neste domingo (20) de racismo durante a vitória por 2 a 1 do Athletico-PR, que se classificou para as semifinais do Campeonato Paranaense. O jogador registrou um boletim de ocorrência assim que deixou a Arena da Baixada.

No momento em que sofreu a injúria racial, Samuel e outros companheiros confrontaram o torcedor na mesma hora. Houve um princípio de confusão e o árbitro Rodolpho Toski Marques imediatamente chamou a Polícia Militar assim que escutou os relatos dos jogadores.

Os policiais agiram rápido e retiraram o torcedor das arquibancadas. Ele, que não teve identidade revelada, foi encaminhado para a Delegacia Móvel de Atendimento a Futebol e Eventos (Demafe) e depois para a central de flagrantes no 8º Distrito Policial.

Rodolfo Toski Marques relatou o episódio na sumula: "Aos 30min do segundo tempo, paralisei a partida após relato do jogador do Londrina Esporte Clube, senhor Samuel Santos, que o torcedor identificado como Carlos Alexandre Tonin disse em sua direção: "seu preto vera verão". Com o jogo paralisado solicitamos a presença do policiamento no local e o mesmo foi então levado ao DEMAFE para as medidas cabíveis", escreveu.

O advogado do Londrina Eduardo Vargas acompanhou o jogador até a delegacia, onde gravou um vídeo para o Observatório Racismo.

"Estamos aqui nessa noite de domingo por que mais uma vez nos deparamos com caso de racismo no futebol. Nessa tarde de domingo, no estádio da Arena da Baixada, o atleta Samuel Santos, que está aqui ao meu lado, fora injuriado com expressões racistas pela torcida do Athletico-PR. Estamos aqui na delegacia para registar essa ocorrência e esperamos que uma denúncia como essa não fique impune", disse o advogado.

"Não toleramos mais racismo, seja no esporte ou na sociedade. Esperamos atitude veemente da polícia e contundente da federação paranaense. Casos assim não podem mais passar impunes. Não mais toleramos esse tipo de situação. O árbitro relatou na súmula o ocorrido. Londrina e atleta irão até as últimas consequências para resolver essa situação", completou Eduardo Vargas.