Imagem ilustrativa da imagem AQUÉM DE MESSI



A Argentina jogou apenas o suficiente para derrotar a estreante Bósnia e Herzegovina por 2 a 1, transformando, vez por outra, o Maracanã no Monumental de Núñez, tal a quantidade de hermanos no estádio. Pode parecer incrível, mas é provável que o time europeu, acostumado a jogar para no máximo 12 mil pessoas, no pequenino Bilino Polje, em Zenica, tenha se assustado com o apoio do público brasileiro. Podem acreditar: a Bósnia nunca jogou com tanta gente incentivando.
No campo, a Argentina começou confusa sob o aspecto tático, errando muitos passes. Messi estava discreto. E a Bósnia, apesar do bom toque de bola, não mostrava força na frente. Dzeko, isolado, não parecia, nem de longe, o grande artilheiro do Manchester City. Assim, foi um primeiro tempo de duas emoções. Uma com dois minutos: Messi cobrou falta, Rojo desviou, e Kolasinac, que estava no caminho, pôs para dentro.A outra aos 31, quando Hajrovic cabeceou no canto esquerdo, para excelente defesa de Romero. Nada além.
A Argentina voltou com Gago e Higuaín nos lugares de Campagnaro e Maxi Rodríguez. O objetivo de Alejandro Sabella era acelerar o ritmo da equipe. Não foi nada de extraordinário. Mas melhorou. Tanto que aos 19, Messi, enfim, fez das suas. Tirou Bicakcic e Besic da jogada e bateu à direita, para fazer 2 a 0.
Já no desespero, Safet Susic promoveu três mudanças em cinco minutos, tentando salvar a pátria, lançando inclusive Ibisevic, o herói da classificação para a Copa. Inútil. Com jogadores de maior categoria, a Argentina continuou controlando a partida, arriscando ataques em sequência, mesmo que quase todos se perdessem na brava resistência do adversário.
O tempo foi passando, a preguiça do time sul-americano aumentando, até que Ibisevic diminuiu para2a1, aos 39, lançando a bola entre as pernas de Romero.Daí em diante, a Bósnia passou a fazer um esforço extraordinário para chegar ao empate, mas as limitações da equipe não permitiram. Na prática, acabou sendo bom para ambos. A Argentina saiu com três pontos, e a estreante não viveu vexame. Mas o time de Messi ficou devendo

Imagem ilustrativa da imagem AQUÉM DE MESSI