|
  • Bitcoin 122.600
  • Dólar 5,1163
  • Euro 5,2590
Londrina

Esporte

m de leitura Atualizado em 28/06/2022, 09:43

Alma Ibarra, lutadora que viralizou ao pedir para parar luta, já disputou jogos Pan-Americanos e quase foi às Olimpíadas

PUBLICAÇÃO
terça-feira, 28 de junho de 2022


AUTOR autor do artigo

menu flutuante

SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) - A lutadora mexicana Alma Ibarra virou notícia após implorar a sua equipe para parar de lutar contra americana Jessica McCaskill, no último sábado (25).

O confronto, que foi realizado na Tech Port Arena, em San Antonio, no Texas, valia o título mundial da categoria meio-médio, que permaneceu com a americana.

Mas a trajetória da mexicana vai muito além do que aconteceu em sua última luta.

Mãe de um garotinho de oito anos, que cria sozinha, Ibarra costuma utilizar sua visibilidade para colaborar em questões sociais. Frequentemente, a boxeadora usa sua conta no Instagram para divulgar informações sobre pessoas desaparecidas e campanhas pedindo Justiça.

CARREIRA

Alma 'A Conquistadora' Ibarra, de 34 anos, nasceu em Monterrey, no México, em 12 de fevereiro de 1988. Ela estreou no boxe profissional apenas aos 29 anos, em 2017.

Ibarra participou de 12 lutas profissionais até o momento e tem um recorde de 10 vitórias e somente duas derrotas —sendo uma delas por nocaute e a outra por desistência.

Além disso, ela tem uma taxa de nocaute de 41,7%, ou seja, venceu cinco vezes nocauteando suas oponentes.

OLÍMPIADAS DE TÓQUIO

Ibarra perdeu a chance de representar o México nas Olimpíadas de Tóquio. Um dia antes de disputar a luta que poderia ter lhe garantido a vaga olímpica, ela foi vítima de um sequestro.

De acordo com a imprensa mexicana na época, a atleta foi levada de seu hotel em Veracruz, junto com seu treinador Carlos Medellín —os sequestradores disseram que os estavam levando por motivo de segurança.

Alguns dias depois, a polícia foi ao cativeiro em que eles estavam sendo mantidos e descobriu que os criminosos já tinham obtido uma quantia em dinheiro da família da boxeadora.

Mesmo sem ter conseguido participar das Olimpíadas, Ibarra já tinha construído uma carreira respeitável representando seu país. Em 2011, foi medalha de bronze nos Jogos Pan-Americanos, realizados em Guadalajara. Antes, ela já tinha conquistado a prata nos Jogos Centro-Americanos.

LUTA DA DESISTÊNCIA

A americana Jessica 'Caskilla' McCaskill havia colocado seus cinturões de WBA, WBC, IBF, WBO, WBO e The Ring Welterweight World Champion em jogo na luta contra Alma Ibarra. A mexicana se qualificou para a disputa após vencer a americana Kandi Wyatt, por decisão dos árbitros, ainda em 2021, e nocautear Laura Cubos Ramos, em abril de 2022.

No último sábado, sua sorte foi bem diferente. No confronto, McCaskill foi muito superior a Alma e dominou os três rounds da luta até o momento da desistência. Esta foi a primeira disputa da mexicana pelo título mundial.

"Não... não... eu só quero chegar com vida em casa", gritou Ibarra para seu treinador, se recusando a voltar para a luta.

Com a desistência, McCaskill (12-2-0), que é campeã mundial desde 2018, manteve todos os seus cinturões.