Rio, 26 (AE) - Após o corte de Rivaldo, contundido, o meia Alex, do Palmeiras, passou a ser o mais cotado para substituir o jogador do Barcelona, na partida contra a Colômbia, na terça-feira, pelas Eliminatórias da Copa do Mundo de 2002. Hoje, na apresentação dos atletas no Aeroporto Internacional do Rio, o meia preferiu a cautela. "Vamos esperar a decisão do Wanderley, que tem alguns jogadores para escolher", afirmou. O técnico só vai definir a escalação do Brasil amanhã. Hoje, porém
ele deu indícios de que Alex deverá ser titular.
"Alex é um jogador jovem, mas que tem muita experiência". Segundo o treinador, o meia já provou que tem condições de atuar pela seleção principal. Alex garantiu que está preparado para exercer a função de Rivaldo, que no esquema de Luxemburgo atua próximo aos atacantes. "Fiz isso na seleção olímpica e também na principal", contou. Ele lembrou que já atuou ao lado de todos os outros jogadores do meio-de-campo brasileiro. "Conheço as características de cada um." Outra opção para o lugar de Rivaldo é o meia Ricardinho, do Corinthians, convocado no lugar de Juninho, cortado por contusão.
"Agora que estou na seleção, tenho a ambição de buscar algo mais", observou o jogador. Para ele, não haverá problemas para atuar como meia de ligação entre o meio-de-campo e o ataque. "Sou um meia ofensivo, a minha posição depende do treinador."
Uma possibilidade mais remota é a escalação de Edílson, do Corinthians, que foi convocado para o ataque. Quando perguntado sobre as chances de ser titular, o atacante esquivou-se. "Não vamos arrumar problema", brincou. Feliz, Edílson disse que sempre acreditou que voltaria a ser chamado. "Trabalhei com o Wanderley e sei que ele não guarda mágoa de acontecimentos passados." Luxemburgo confirmou a declaração de Edílson, acrescentando que as portas da seleção sempre estiveram abertas para o jogador. "Mas se ele voltar as descumprir as regras pode deixar de ser convocado novamente", disse. Na lateral-direita, Luxemburgo confirmou Evanílson como substituto de Cafu. O restante do time vai ser formado pela base que jogou a Copa América.
Há algumas exceções, como o zagueiro Aldair, que reconheceu que a sua convocação foi polêmica. "Sabia que a minha convocação provocaria críticas, mas ninguém pode negar que o meu momento é muito bom", disse. Para Emerson, o fato de manter a base da Copa América vai ajudar no entrosamento, prejudicado pela falta de tempo para treinar. "Só temos de nos recuperar do cansaço da viagem", contou. Ele explicou que teve de sair no segundo tempo da última partida do Bayer Munique por causa do desgaste.
O lateral-esquerdo Roberto Carlos chegou, desmentindo a notícia de que não estava dando importância às Eliminatórias. "Isso é intriga de jornalistas argentinos, que estão nervosos por causa da recusa do Redondo em atuar pela seleção", explicou o lateral. Roberto Carlos lamentou os desfalques por causa de contusões, mas garantiu que a seleção não vai ser muito prejudicado. "Existem duzentos jogadores de qualidade no Brasil."