|
  • Bitcoin 141.551
  • Dólar 4,8667
  • Euro 5,1360
Londrina

Empregos & Concursos

m de leitura Atualizado em 28/03/2022, 07:00

Sazonalidade promove renda e impõe disciplina a profissionais

Atividades sazonais proporcionam renda nas datas comemorativas, como a Páscoa, e na mudança das estações do ano

PUBLICAÇÃO
segunda-feira, 28 de março de 2022

Walkiria Vieira - Grupo Folha
AUTOR autor do artigo

Foto: Walkiria Vieira - Grupo Folha
menu flutuante

Junte caldo de cana, ovos de Páscoa, água de coco e um cachecol. Não, não é uma receita, nem sugestão para um programa. Os itens citados guardam consigo outra característica que os agrupa: a sazonalidade. Em razão da estação do ano, data comemorativa ou costume, há produtos que são consumidos com maior adesão em determinadas épocas e, do outro lado da ponte, o profissional que atua com essas realidades, precisa ter bastante disciplina para lidar com as finanças. O planejamento é uma regra nessas áreas e os que atuam nessas atividades reconhecem as peculiaridades de suas escolhas, assim admitem que andam na linha para não passar por apuros nos outros meses do ano - e viver com segurança financeira. 

Roberto Barroso vende água de coco e caldo de cana: "Sem empolgação", para equilibrar as contas nos meses frios Roberto Barroso vende água de coco e caldo de cana: "Sem empolgação", para equilibrar as contas nos meses frios
Roberto Barroso vende água de coco e caldo de cana: "Sem empolgação", para equilibrar as contas nos meses frios |  Foto: Walkiria Vieira - Grupo Folha
 

O negócio do comerciante Roberto Barroso é vender caldo de cana e água de coco nas proximidades da barragem do Lago Igapó. Barroso adianta que no verão vende mais e no outono, o movimento já cai significativamente.  E vai direto ao ponto: "No verão são 300 cocos por semana, com a queda da temperatura, se vender 50 cocos é muito", afirma. Já as 50 dúzias de cana semanais contabilizadas no verão se limitam a dez após a temporada de altas temperaturas.

De acordo com o comerciante, é preciso ter freio nos gastos. "Maio e junho são os piores meses e tem que reservar o dinheiro recebido no verão para poder passar pelo inverno com paz", já sabe. "Eu sou de uma família de sitiantes, pago tudo à vista e tenho as despesas fixas que chegam o ano todo, então tenho os pés no chão."

Feito a formiga das fábulas que se antecipa e dedica-se ao trabalho, Barroso reconhece ainda outras intemperies e por isso não vacila. "Na pandemia, ficamos um mês inteiro sem trabalhar e houve um verão que a cidade sofreu muito com as chuvas, houve destelhamento e muita destruição até aqui no entorno do lago, então eu sei que é preciso cautela, pois só a queda de temperatura já reduz bastante o consumo de líquidos e atrai menos pessoas para a rua", expõe. 

QUANDO O INVERNO CHEGAR

Celi Lisboa de Oliveira, artesã de artigos de inverno: "Temporada de maior venda é de dois ou três meses apenas" Celi Lisboa de Oliveira, artesã de artigos de inverno: "Temporada de maior venda é de dois ou três meses apenas"
Celi Lisboa de Oliveira, artesã de artigos de inverno: "Temporada de maior venda é de dois ou três meses apenas" |  Foto: Walkiria Vieira - Grupo Folha
 

A artesã Celi Lisboa de Oliveira é especializada em artigos para o inverno. Sapatos de lã, cachecóis, gorros e outras encomendas compõem o seu mix de produtos feitos à mão. Auxiliar de Enfermagem aposentada, Oliveira atua no projeto Economia Solidária, vinculado à prefeitura de Londrina sob a chancela da Secretária de Assistência Social. Pronta para o seu melhor período de vendas, a artesã trabalha com metas e sem perder de vista que os valores recebidos nesse período não representam o todo. 

O investimento em linhas e lãs de qualidade é parte do mix da artesã. "A temporada dura dois ou três meses no máximo. Vendo bem, mas tenho consciência para não perder de vista a minha realidade, assim como a necessidade de bancar as compras. Para renovar a freguesia, Oliveira conta que a cada inverno se antecipa às tendências e sabe que uma das características das pessoas no tempo frio é querer usar roupas mais coloridas, elegantes e com identidade. 

Com encomendas até para aqueles que irão viajar para locais frios, a artesã explica que nos outros meses do ano lança mão de suas outras habilidades manuais: "Daí entram as toalhas para lavabo e também as fraldinhas de boca e outros produtos personalizados. Eu sei que muitas pessoas valorizam o que é feito à mão e que gera renda para pessoas da região", cita. "Então eu persisto com a minha arte em todos os meses do ano para poder garantir uma renda", diz. 

CHOCOLATE: O PROTAGONISTA DA ÉPOCA

A chef de cozinha Fatima de Oliveira tem 16 anos de experiência na produção de ovos de Páscoa. No período da Páscoa, a sua renda aumenta de 30% a 40% . "Só eu penso no depois que é o meu normal", sorri. Com um portifólio de produtos amplo, Oliveira conta que é assim que conserva a sua cliente, recebe pedidos e mantém uma produção equilibrada para o sustento de sua família e de seu negócio.

Com uma carteira de fornecedores pautada na qualidade, além dos bolos, docinhos de festa e salgados que a consagram, a chef explica que a Páscoa também está mais criativa e há quem diga mais democrática - e não se limita aos ovos fechados e embalados. "Há ovos recheados, pintados, trufados, com pedaços de brownie, palha italiana e com as cascas craqueladas e aparentes", enumera. 

E nem só de chocolate sobrevive a Páscoa. "O chocolate é sim o protagonista, mas também faço bolos de cenoura para todo o mês de Páscoa e o mote ajuda nas vendas. E com o chocolate, dá pra criar: bombons variados com frutas secas e castanhas, os ovos de colher também fazem sucesso e promovem as vendas pela diversidade. Tem ovo de colher com recheio maciço, recheio de chocolate branco, meio amargo, amargo e ao leite", cita. 

Quem deseja se dedicar para incrementar a renda deve lembrar que as embalagens custam caro, mas se bem cuidadas, podem ser reaproveitadas nos outros anos. "É bom investir em produtos bons e usar uma parte da renda para esses investimentos. Ela explica que pelo fato de seus produtos serem totalmente artesanais, é mais perto da Páscoa que ela começa a produzir os chocolates. "Precisa ter planejamento de tudo: dos gastos, do tempo de produção e a ciência de quem um dinheiro que parece bastante deve ser cuidado para os outros períodos em que vendemos naturalmente menos", divide. 

Atividades sazonais remuneram, mas exigem planejamento

Mauro Calil: Educador financeiro e fundador da Academia do Dinheiro: "Quem vive numa gangorra de faturamento precisa ter disciplina, se planejar e jamais se empolgar" Mauro Calil: Educador financeiro e fundador da Academia do Dinheiro: "Quem vive numa gangorra de faturamento precisa ter disciplina, se planejar e jamais se empolgar"
Mauro Calil: Educador financeiro e fundador da Academia do Dinheiro: "Quem vive numa gangorra de faturamento precisa ter disciplina, se planejar e jamais se empolgar" |  Foto: Roberto Custódio
 

O educador financeiro e fundador da Academia do Dinheiro, Mauro Calil, explica que toda atividade profissional cuja renda não é fixa, sim, requer planejamento financeiro diferenciado. "Existem duas formas mais adequadas de se fazer isso: a primeira é você é pegar uma média dos 12 meses do seu faturamento e ter como teto de gasto essa média. O ideal é gastar abaixo dessa média - 70% no máximo, para que você possa formar uma reserva e investir.

A segunda maneira, de acordo com o educador,  é verificar o mínimo da renda e basear-se por ela: "Num mês ruim ou ou três piores meses e ajustar os seus gastos aos seus faturamentos. Fazendo isso, o seu padrão de vida cai muito, mas você vai investir o que sobra principalmente nos meses de mais fartura e consegue renda extra adicional advinda de investimentos financeiros. Exige disciplina, mas ao longo do tempo pode fazer com que o trabalhador tenha uma rende mais firme", explica. 

Calil alerta que a auto sabotagem acontece quando a pessoa tem um mês muito bom. Quando isso acontece por dois ou três meses seguidos, há a impressão que isso nunca vai acabar e a pessoa começa entrando em financiamento, assumindo dívidas. Mas os meses ruins eles vêm e quem tem renda variável e quem vive nessa gangorra de faturamento sempre tem altos e baixos. Não pode se animar demais e assumir compromissos financeiros além da sua capacidade média quando você tem meses bons de faturamento", ensina. 

Outro ensinamento o educador traz na gestão da renda e em relação à empolgação diante de uma bolada de dinheiro: "Esse é um dos principais erros por causa  dessa empolgação diante de um faturamento adicional, uma semana muito boa, um mês muito bom. Não pode só se empolgar,  é preciso lembrar dos altos e baixos e por isso não se deve gastar mais do que se pode, nem assumir dívidas de longo prazo, pois o faturamento ocorre dia após dia", ratifica o educador financeiro.

Passos importantes para quem lida com a sazonalidade, segundo Mauro Calil

1- Fazer um mapeamento dos seus custos mensais recorrentes - que podem ser ou não ser fixos;  dessa forma, você sabe qual o mínimo que você precisa faturar para poder se manter;

2-Tentar reduzir os custos recorrentes ou substituir coisas caras e que não usa por coisas baratas.;

3- Estudar aquilo que entra no seu faturamento e verificar as possibilidades de fazer mais dinheiro dentro da sua atividade profissional e seguir um planejamento para aumentar essa quantidade de dinheiro que entra.

LEIA MAIS 

Educação financeira também se aprende na escola

...

Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link