Pós-pandemia: escritório de elite terá mais ar livre, café e manicure

Trabalho presencial vai voltar, mas será preciso oferecer mais do que um espaço para o serviço

Fernanda Brigatti - Folhapress
Fernanda Brigatti - Folhapress

 

Pós-pandemia: escritório de elite terá mais ar livre, café e manicure
iStock
 


São Paulo - O trabalho presencial nos escritórios vai voltar no pós-pandemia, mas precisará ser diferente. Longas fileiras de mesas em baias fixas deverão ser substituídas por estações de trabalho móveis e maior distanciamento entre cada uma delas. A frequência também deverá ser outra, um reflexo do ano em home office. Nos setores que ocupam o topo da pirâmide do mundo corporativo, como bancos, gestores de investimentos, empresas de tecnologia, auditoria, farmacêuticas, grandes escritórios de advocacia e multinacionais, a ida ao escritório precisará oferecer mais do que um espaço para o trabalho.


Martín Andrés Jaco, diretor-presidente da BR Properties, diz que o mercado passa agora a olhar para além das especificações técnicas que garantem aos edifícios a classificação AAA (os "triple A"). É necessário que o prédio ofereça uma gama de serviços que o torne interessante e atraente para quem for chamado para trabalhar ali. "Não se dava tanta ênfase a outras questões, como acesso ao transporte, serviços no prédio e no entorno. É necessário que haja academia, lavanderia, áreas verdes. Isso tudo passa a ter um valor muito grande", afirma. "Esses serviços precisam funcionar em tempo integral. O modelo de trabalho mudou, e é necessário atender. Isso era uma tendência, mas agora foi acelerada."


Na avaliação do executivo, os edifícios de escritórios de alto padrão precisam estar atualizados e ter condições de atender essas novas demandas –do contrário, ficarão para trás. Para ele, esse será o diferencial para garantir a ocupação do novo estoque de prédios AAA que deverá ser entregue em São Paulo neste ano.


"As empresas precisam ter uma sede. Talvez elas precisem de escritórios menores, mas mais bem localizados. Nesse sentido, há carência de projetos de qualidade", afirma. A BR Properties é dona de duas torres no Parque Cidade, complexo de prédios de escritórios na Chucri Zaidan, e já está com 41% do espaço com pré-locação, ou seja, reservado para firmas que pretendem ocupar lajes no local. "Havia anos não tínhamos pré-locação na marginal. Isso acontece porque você tem uma série de serviços no entorno, como shopping e metrô."


Para Mariana Hanania, diretora de pesquisa e inteligência de mercado da Newmark, ainda é cedo para fazer apostas no modelo dos escritórios do pós-pandemia. Os serviços de concierge, segundo ela, já eram uma demanda de empresas em regiões com alta concentração de escritórios, como a avenida Faria Lima, na zona sul da capital paulista. "São muitos funcionários com um certo perfil, na faixa de 30 anos e que moram sozinhos. Eles querem resolver várias necessidades enquanto trabalham, desde deixar um roupa no tintureiro a ir à academia após o expediente."


Ela concorda com a percepção de que o trabalho 100% em casa já é uma possibilidade descartada. Tampouco a rotina voltará a ser como era no início de 2020, de cinco a seis dias no escritório. "Não estamos vendo mais a intenção de ter um home office radical. Mesmo quem adiou o retorno para 2022 vai manter esse espaço físico", diz.


A JLL aposta em uma reabilitação dos escritórios flexíveis, os coworking. Com a pandemia, o volume de locações nesses espaços chegou a cair 92% no ano passado, na comparação com o ano anterior. Enquanto a recomendação é o distanciamento,3 dividir o espaço com diversas pessoas e empresas ficou arriscado.


O cenário de incertezas com o futuro, diz a consultoria, em relatório, poderá beneficiar as empresas que já trabalham com o modelo, que poderão ser vistas como uma alternativa mais flexível aos contratos de longa duração nas lajes corporativas.


Para quem começa a planejar a volta aos escritórios, a consultoria Cushman & Wakefield recomenda que as empresas considerem 10 m² de área para cada funcionário, permitindo mais distanciamento entre eles. A média, no Brasil, é de 9 m² por trabalhador.



MENOS FIRMA, MAIS ENCONTRO

AMBIENTES MISTOS

- O trabalho híbrido, parte em casa, parte no escritório, ganhará espaço

- Horários flexíveis, dias alternados no escritório


ESCRITÓRIOS MODULARES

- Estações de trabalho deverão ser distribuídas pelo escritório

- Maior distanciamento entre as mesas


ESCRITÓRIO MÓVEL

- Prédios e escritórios deverão dispor de tomadas e condições de trabalho em vários ambientes

- A mesa de trabalho fixa deverá perder a preferência


ACADEMIA, LAVANDEIRA, SERVIÇOS DE MANICURE E PEDICURE

- Não basta ser trabalho, tem que ser fácil acessar outros serviços

- Sem a rotina e a necessidade de ir ao escritório diariamente, será necessário ter outros atrativos no entorno


BICICLETÁRIO E BICICLETAS PARA ALUGUEL

- A proximidade com ciclovias e ciclofaixas também ganha relevância

- O edifício precisará oferecer serviços que facilitem a mobilidade e descompliquem a vida


LOCAÇÃO DE GUARDA-CHUVAS

- Serviços menos comuns também ganham importância


CAFÉ COM ESPAÇOS PARA TRABALHAR E ESPAÇOS EXTERNOS PARA REUNIÕES

- As grandes salas de reunião saem de cena

- Mesmo que haja segurança para grandes encontros em salas fechadas, a tendência é que as reuniões fiquem menores e mais arejadas


JARDINS, ESPAÇOS VERDES E MAIS CONTATO COM A NATUREZA

- Encontros, cafés e mesmo reuniões poderão ser realizados em meio a plantas e árvores

- A pandemia potencializou o apelo por áreas arborizadas e arejadas


PROXIMIDADE COM SHOPPINGS E ESTAÇÕES DE METRÔ

- Continua essencial ser fácil de chegar e de resolver eventuais problemas no dia

- Seja comprar um presente de última hora, seja pagar uma conta



Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1


Como você avalia o conteúdo que acabou ler?

Pouco satisfeito
Satisfeito
Muito satisfeito
Assine e navegue sem anúncios [+]

Últimas notícias

Continue lendo