|
  • Bitcoin 121.481
  • Dólar 5,0538
  • Euro 5,2302
Londrina

Empregos & Concursos

m de leitura Atualizado em 01/08/2022, 13:33

População idosa cresce e também as vagas de trabalho para cuidadores

A profissão de cuidador de idosos requer atualização contínua, confira as orientações de especialistas para quem quer prestar este serviço

PUBLICAÇÃO
segunda-feira, 01 de agosto de 2022

Walkiria Vieira - Grupo Folha
AUTOR autor do artigo

Foto: iStock
menu flutuante

 A vocação profissional é basilar, independentemente da área de trabalho. A justificar, o tempo que todo trabalhador dedica à atividade laboral. Assim, pode-se refletir que embora existam carreiras promissoras, ter gosto pela escolha é requisito primário. Reconhecida e com perspectivas positivas, a  profissão de cuidador de idosos é um exemplo de demanda de mão de obra capacitada para os dias atuais e para os anos que estão por vir, sobretudo dada a expectativa de vida da população. 

Leia mais: 

Crescem os serviços voltados para população idosa

 O administrador e professor Henrique Gambaro, da  Gambaro Desenvolvimento Profissional,  destaca as pesquisas em torno do tema, que ratificam a informação. "Diversas  pesquisas apontam que a população idosa no Brasil está crescendo e o IPEA , Instituto de Pesquisa Economia Aplicada, vinculado ao Ministério da Economia, prevê que um quarto, ou seja, 25% da população brasileira estará nesta situação até 2060. Estes números mostram que haverá uma oportunidade muito grande no mercado de trabalho para pessoas que gostariam de trabalhar para este público", sinaliza o especialista  em cursos e treinamento na área de Gestão de  Recursos Humanos. 

O administrador e professor Henrique Gambaro aponta que o País terá 25% da população  formada por idosos até 2060 O administrador e professor Henrique Gambaro aponta que o País terá 25% da população  formada por idosos até 2060
O administrador e professor Henrique Gambaro aponta que o País terá 25% da população formada por idosos até 2060 |  Foto: Divulgação
 

O aumento de ofertas de trabalho para cuidadores de idosos, fisioterapeutas, nutricionistas, médicos e preparadores físicos com foco na terceira idade é uma realidade, segundo Gambaro.  "Também é visível o aumento do número de casas de repouso para idosos, não de asilos como eram antigamente, mas de locais onde há a preocupação no desenvolvimento físico e cognitivo deste pessoal por meio de atividades e técnicas já testadas e aprovadas, e isto, consequentemente, já aumentou a demanda na contratação de pessoal preparado e com competências e habilidades focadas para este público. É uma grande oportunidade de se especializar, pois hoje não esta fácil encontrar pessoas dispostas e preparadas para isto", afirma. 

Nesse sentido, o professor lembra que é crucial desenvolver habilidades e competências que respondam realmente ao que este público espera. "Além de as famílias e os próprios idosos estarem mais cientes da necessidade de um serviço qualificado,  desenvolver habilidades e competências que respondam realmente ao que este público espera. Cuidar não é algo fácil. Este trabalho necessita um alto grau de responsabilidade e empatia. Não pode ser algo mecânico".  Ou seja, fazer o que sabe, ama e com competência.

FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO

A diretora pedagógica da unidade de Londrina do Cebrac -  Centro Brasileiro de Cursos, Suzana Lucas Chaves, explica que o curso Cuidador 2.1,  ofertado pelo centro, tem duração de 5 a 16 meses - O que irá depender da busca de cada aluno e sua bagagem. "A missão do curso é, de modo sucinto, desenvolver nos alunos as habilidades do cuidado, as competências técnicas exigidas para cuidar e as atitudes necessárias para promover o bem-estar psicossocial da pessoa cuidada".

Suzana Lucas Chaves, do Cebrac de Londrina, diz que a profissionalização do cuidador inclui práticas que estimulam desde a cognição até a afetividade Suzana Lucas Chaves, do Cebrac de Londrina, diz que a profissionalização do cuidador inclui práticas que estimulam desde a cognição até a afetividade
Suzana Lucas Chaves, do Cebrac de Londrina, diz que a profissionalização do cuidador inclui práticas que estimulam desde a cognição até a afetividade |  Foto: Divulgação
 

De modo mais aprofundado,  o aluno deve entender  o papel do cuidador, estar apto a realizar as principais tarefas da profissão e, acima de tudo, compreender que cuidar de outra pessoa requer atitude, comprometimento e dedicação. Bem como atuar  com ética, de  modo humanizado e responsável. Chaves avalia ainda as possibilidade dos que possuem a formação e vocação: "Pode atuar em residências, organizações não governamentais, empresas de atendimento domiciliar (home care), hospitais (períodos curtos de tempo, dias ou semanas, período em que ocorre a internação do idoso), Instituições de Longa Permanência para Idosos", cita. 

Em relação à capacidade de absorção desses profissionais, Chaves traz dados: "Segundo o Ministério do Trabalho divulgado, houve um aumento de 547% no número de cuidadores de idosos no país (2019). O crescimento é decorrente da modificação demográfica ocasionada no Brasil, pois os brasileiros estão envelhecendo cada vez mais". E indica a grande busca por cuidadores. "Temos uma agência de empregos dentro da escola, com um profissional da área de RH, que faz o agenciamento dos alunos, gratuitamente. "A procura é tanta que faltam profissionais para serem encaminhados. A maior procura ainda é de familiares, que preferem contratações de profissionais autônomos", informa.  Oficinas de acomodação, higiene (banho), comunicação com idosos e primeiros Socorros integram a formação. 

MERCADO AMPLO

A Coordenadora e professora do curso de Enfermagem na Unopar Maria Helena Mattosinho, confirma que a  profissão de cuidador de idoso vem ganhando destaque e importância no âmbito nacional. O cuidador tem a responsabilidade em orientar e auxiliar as atividades de vida diária, de autocuidado, desde os mais simples aos mais complexos. "É um mercado de trabalho amplo, pois o  enfermeiro pode atuar em hospitais, Unidades Básicas de Saúde, Unidades de Longa Permanência, Clínicas, Escolas, Empresas, Berçários, órgãos governamentais, entre outros e a área da geriatria apresenta um crescimento importante, ofertando boas oportunidades de trabalho. 

Maria Helena Mattosinho, professora e coordenadora do curso de Enfermagem da Unopar: "A geriatria apresenta um crescimento importante, ofertando boas oportunidades de trabalho" Maria Helena Mattosinho, professora e coordenadora do curso de Enfermagem da Unopar: "A geriatria apresenta um crescimento importante, ofertando boas oportunidades de trabalho"
Maria Helena Mattosinho, professora e coordenadora do curso de Enfermagem da Unopar: "A geriatria apresenta um crescimento importante, ofertando boas oportunidades de trabalho" |  Foto: Divulgação
 

Enfermeira, com especialização em Enfermagem Centro Cirúrgico e Centro de Material, Enfermagem do Trabalho e em Saúde Coletiva e a Estratégia Saúde da Família, a coordenadora explica que na universidade em que atua, os cuidadores de idosos  são habilitados por meio do curso de Enfermagem e, como  bacharéis, podem atuar em hospitais, Unidades Básicas de Saúde, Unidades de Longa Permanência, Clínicas, Escolas, Empresas, Berçários, órgãos governamentais, entre outros e a área da geriatria apresenta um crescimento importante, ofertando boas oportunidades de trabalho. 

Segundo Mattosinho, a aprendizagem integrada e interdisciplinar prepara o profissional. "Os alunos de enfermagem realizam suas práticas supervisionadas e estágio curricular em parcerias com diferentes campos de estágio, tais como Hospitais de referência em Londrina e região, Unidades Básica de Saúde, Unidades de Pronto Atendimento, Asilos, Escolas, Creches, Empresas, Visitas técnicas entre outros, com a supervisão direta do professor, ajudando assim,  o aluno a vivenciar a realidade e dando mais segurança, além da realização  de visitas técnicas programadas e vinculadas às disciplinas.   

Sobre o perfil do profissional, a enfermeira explica que a atividade prática  é muito importante, pois coloca o aluno diante da realidade do cuidado institucionalizado e domiciliar, porém é imprescindível uma capacitação específica, pois a rotina profissional exige diferentes conhecimentos e situações diversas e adversas. A inserção do aluno nos serviços de saúde, por sua vez, é uma consequência de uma formação comprometida. "São oferecidos  canais de oportunidades aos alunos, tais como: a inserção do aluno nos serviços de saúde, o que permite a interação com o serviço de saúde, mostrando suas habilidades e competência." 

 ...

Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link.