Vicente já não tem ambições
Mauro FrassonVicente: ‘Só tende a piorar’Darci Vicente da Costa não demonstra nenhuma ambição. Há um ano e meio este senhor de 60 anos perdeu o emprego de motorista de caminhão. ‘‘Tenho que fazer isto para não morrer de fome’’, afirma desolado, apontado o carrinho onde carrega uma caixa de isopor com mais de meia dúzia de garrafas de sucos e a caixa plástica onde leva, debaixo do braço, lanches preparados pela mulher.
Darci diz que sai de casa, na Vila Osternack (no bairro Sítio Cercado) todos os dias antes das seis da manhã e só retorna no fim da noite. Ele circula pelo centro oferecendo os lanches e sucos para taxistas, cobradores das estações-tubo e, obviamente, aos vendedores ambulantes que lotam as ruas e calçadas.
Ele diz que o ganho ‘‘razoável’’ obtido diariamente mal dá para sustentar a família (mulher e dois filhos). ‘‘Daqui para frente só tende a piorar. Já preenchi mais de 30 fichas para conseguir trabalho e não consegui nada. Você sabe onde tem um lugar bom para eu bolear?’’ (R.B.N.)