O resultado da venda do Banestado, em leilão realizado na terça-feira, está sendo contestado judicialmente. Ontem, o advogado Romeu Bacelar entrou com um agravo de instrumento no Tribunal de Justiça, em Curitiba. O recurso deve ser julgado hoje. O agravo foi ajuízado com base na ação popular protocolada pelos senadores Alvaro Dias (PSDB), Osmar Dias (PSDB) e Roberto Requião (PMDB) e pede que um desembargador do TJ reveja a posição do juiz de primeira instância que não concedeu a liminar suspendendo o processo de privatização, no dia do leilão.
Um segundo agravo, ‘‘regimental’’, está sendo solicitado hoje junto ao terceiro grupo das câmaras cíveis do TJ, para que seja revista a decisão do desembargador Jeorling Cordeiro Cléve para que reconsidere seu despacho. Decisão do desembargador resultou na primeira suspensão da liminar que impedia que o banco fosse vendido, na véspera do leilão. Segundo Bacelar, esses recursos devem ser analisados ainda hoje. Se não houver sucesso na Justiça paranaense, o advogado adiantou que irá recorrer ao Supremo Tribunal Federal até que todo o processo que resultou na venda do banco seja revisto. (Vânia Casado)