|
  • Bitcoin
  • Dólar
  • Euro
Londrina

PARA 2022 5m de leitura Atualizado em 29/12/2021, 15:00 assinante

TCGL pede que tarifa de ônibus seja reajustada para R$ 10,15

Londrisul quer tarifa de R$ 9,19; CMTU avalia solicitação das empresas de transporte coletivo

PUBLICAÇÃO
terça-feira, 28 de dezembro de 2021

Simoni Saris - Grupo Folha
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

As empresas TCGL (Transportes Coletivos Grande Londrina) e Londrisul, que operam o serviço de transporte público no município, encaminharam à CMTU (Companhia Municipal de Trânsito e Urbanização) o pedido de reajuste de tarifas para 2022. Pelos cálculos da TCGL, a tarifa deveria ter uma alta de 138,82%, subindo dos atuais R$ 4,25 para R$ 10,15. A Londrisul solicitou um percentual um pouco menor, de 116,23%, chegando a R$ 9,19. 

Imagem ilustrativa da imagem TCGL pede que tarifa de ônibus seja reajustada para R$ 10,15
|  Foto: Arquivo FOLHA
 

A assessoria de imprensa da CMTU informou que a companhia avalia os números e não irá se manifestar até que os estudos sejam finalizados, o que não há prazo para acontecer. A Prefeitura de Londrina costuma anunciar o novo valor da passagem de ônibus nos primeiros dias de janeiro. O último reajuste, de R$ 0,30, foi feito em 1º de janeiro de 2019. O valor atual, segundo as empresas, é insuficiente para cobrir os custos do serviço e a majoração da tarifa seria necessária para manter o equilíbrio financeiro do sistema.

Apesar de o valor da passagem de ônibus não ter sofrido reajuste em 2020 e 2021, as concessionárias receberam um aditivo de mais de R$ 20 milhões do município como forma de compensar as perdas acarretadas com a redução de passageiros durante a pandemia.

O pagamento foi feito em quatro parcelas de R$ 3,6 milhões, em julho, agosto, setembro e novembro deste ano. Já os R$ 7,4 milhões restantes deverão ser pagos até 31 de janeiro de 2022. Além disso, a prefeitura fez, no dia 10 de outubro deste ano, o pagamento de mais R$ 1,87 milhão, valor referente ao PPR (Programa de Participação nos Resultados), que deixou de ser repassado aos trabalhadores das empresas em 2020.

Vereadores apontaram a falta de publicidade aos repasses e o Ministério Público pediu explicações sobre detalhes do aditivo à administração municipal. 

A reportagem entrou em contato com o gerente geral da Londrisul, Marildo Teixeira Lopes, mas ele não atendeu às ligações e não respondeu às mensagens no WhatsApp. A assessoria de imprensa da TCGL também foi procurada, mas nenhum representante da empresa se manifestou até o momento. 

instagram

ÚLTIMOS POSTS NO INSTAGRAM