Carmem Murara
De Curitiba
O setor da indústria eletroeletrônica inicia o ano comemorando aumento de 11% no faturamento, registrado em 1999 sobre o ano anterior. O desempenho positivo foi impulsionado principalmente pelos segmentos de telecomunicações e componentes eletrônicos que cresceram mais do que o dobro da média geral. Somente a indústria de telecomunicações teve um aumento de 33%. O desempenho paranaense seguiu a tendência nacional.
O faturamento total atingiu um montante de R$ 41,5 bilhões, no País, contra R$ 37,3 bilhões no ano passado, quando foi registrado um dos piores desempenhos desde o Plano Real. ‘‘Desde 96 nós tínhamos um declínio constante nas vendas da indústria eletroeletrônica. A reação de agora é para recuperar as perdas’’, afirmou ontem o diretor regional da Associação Nacional da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee), Zulfiro Bózzio. Segundo a Abinee, houve quase um esgotamento dos pedidos em carteira da indústria de equipamentos para telecomunicações a partir do segundo trimestre no ano.
A indústria de telefonia estava parada desde o início de 97 à espera do processo de privatização do Sistema Telebrás. Mas mesmo após a venda das teles para a iniciativa privada, as companhias telefônicas permaneceram com o pé no freio, só retomando as compras a partir de meados do ano passado.
As vendas no setor de informática também apresentaram desempenho superior em relação a anos anteriores. O crescimento foi de 29%, o que representou um faturamento de R$ 303,1 milhões contra R$ 235,3 milhões no ano anterior.
O relatório da Abinee afirma ainda que a venda de componentes de informática foi atípica em 99, pois houve dificuldade de definir preços para o setor quando ocorreu a desvalorização do Real, no início do ano. O que aqueceu o mercado foi a necessidade de investimentos para se prevenir no Bug do Milênio. Para este ano, a indústria de eletroeletrônicos espera ter um crescimento de 14% sobre 99.