|
  • Bitcoin 118.190
  • Dólar 5,2124
  • Euro 5,3417
Londrina

Economia

m de leitura Atualizado em 27/07/2022, 06:31

Sebrae paranaense completa 50 anos de olho no futuro

Instituição analisa as mudanças no ambiente de negócios para ver como elas vão atingir as pequenas empresas

PUBLICAÇÃO
terça-feira, 26 de julho de 2022

Vítor Ogawa - Grupo Folha
AUTOR autor do artigo

Foto: Sergio Ranalli
menu flutuante

O Sebrae completou 50 anos de existência em 2022 como uma instituição voltada ao desenvolvimento socioeconômico, por meio da geração de trabalho, emprego e renda e já projeta seus movimentos para os próximos 50 anos. O diretor superintendente do Sebrae Paraná, Vitor Roberto Tioqueta, relembrou que o sistema Sebrae nasceu em 1972, como Cebrae (Centro Brasileiro de Assistência Gerencial à Pequena Empresa), uma instituição pública ligada ao Ministério do Planejamento, do Governo Federal e em cada estado, a partir do do nascimento do sistema Sebrae, surgiram instituições ligadas ao sistema nos estados, voltadas principalmente a fazer o acompanhamento das empresas que pegavam crédito nos bancos de desenvolvimento. 

Imagem ilustrativa da imagem Sebrae paranaense completa 50 anos de olho no futuro Imagem ilustrativa da imagem Sebrae paranaense completa 50 anos de olho no futuro
|  Foto: Sergio Ranalli
 

"No Paraná, havia uma ligação muito forte com o Badep (Banco de Desenvolvimento do Paraná) e o Banestado (Banco do Estado do Paraná), que concediam crédito para empresas. Aqui no Estado ele nasceu em 1972 com o nome de Ipag (Instituto Paranaense de Assistência Gerencial) e depois mudou para Ceag/PR (Centro de Assistência Gerencial à Pequena e Média Empresa), pelo qual  a instituição fazia consultoria para essas empresas. Isso foi até 1990, quando o Fernando Collor assumiu o Governo Federal e fechou o Cebrae, embora aqui no Estado nunca tenha fechado”, relembrou Tioqueta. Após isso, houve um movimento político dos empresários com deputados e instituições empresariais do país todo que resultou no ressurgimento do Sebrae, dessa vez com a letra S. 

Ele ressaltou que o Sebrae mudou o seu formato de atuação. “Passou a ter um trabalho muito forte e de atendimento às micro e pequenas empresas, um trabalho de atendimento gerencial, de mudança do patamar das empresas. Somos a única instituição que tem uma preocupação com a melhoria do ambiente de negócios voltado tanto para a micro e pequena empresa, como para a grande empresa, porque quando você trabalha em melhorias e facilidades na legislação para abertura de empresas faz com que as grandes também tenham benefício em cima disso. Mas a história do Sebrae se confunde muito com a história da micro e da pequena empresa no Brasil.”

O diretor superintendente ressaltou que nos próximos 50 anos o Sebrae analisa as mudanças no ambiente de negócios para ver como elas vão atingir as pequenas empresas.. “Como isso é muito rápido e muito dinâmico, o que a gente tem colocado como regra é o que nos trouxe até aqui. Tudo tem que ser muito bem avaliado para fazer as mudanças necessárias daqui para frente para poder construir os novos 50 anos.”

“São tantas startups, com empresas de alto potencial, por isso cada vez mais nós temos que estar à frente, na busca de informações e de conhecimento para estar produzindo materiais e conteúdos e conhecimento para poder levar para essas empresas. Todos estão tendo mudanças no dia a dia na sua forma de trabalho, na sua forma de se relacionar com clientes. Temos que estar preparados para isso”, destacou.

EVOLUÇÃO

Desde sua criação, o Sebrae paranaense só evoluiu e o Estado acompanhou esse desenvolvimento. A redução da informalidade foi uma mudança de cenário observada ao longo dos 50 anos de atividade do Sebrae. “O Brasil vivia um ambiente muito grande de informalidade nos anos de 1980 e que se reverteu quando foi criada a Lei geral da Micro e pequena empresa e em 2008 a Lei do microempreendedor Individual, associados com o Plano Real. Hoje são 14 milhões de microempreendedores individuais. Foi efetivamente a maior política de inclusão do mundo que tirou pessoas da informalidade e hoje têm CNPJ. Com isso eles conseguem fazer negócios e têm acesso a políticas de apoio”, destacou o  diretor de Operações do Sebrae Paraná, Julio Cezar Agostini. Atualmente são 1.457.322 unidades de negócios ativas no Paraná e foram criadas 201.957 novas empresas apenas em 2021. As MPEs (Micro e Pequenas Empresas) foram responsáveis por 83% dos empregos gerados em 2021 e o Sebrae atendeu 95,36% das MPEs em 2021. Some-se a isso que o Estado é um dos principais cenários de inovação, com 1.952 startups em 87 cidades.

Agostini ressaltou que 98% dos cursos e consultorias oferecidos pelo Sebrae são gratuitos. “A gente subsidia a maioria deles. Nas salas do empreendedor em que atendemos, tudo é absolutamente de graça. Apenas 2% das atividades do Sebrae são cobradas para alguns programas especiais ou para atividades voltadas para clientes de um nicho mais elevado”, explicou.

De acordo com Fernando Moraes, presidente do Conselho Deliberativo do Sebrae Paraná, em 2021 o Sebrae atendeu 368 mil empresas, e 98% delas passaram por 2021 e não fecharam. Então o atendimento é com qualidade”, destacou Moraes. 

Tioqueta explicou que o Sebrae oferece um conjunto enorme de serviços. “Grande parte são de orientações básicas de uma ou duas horas sobre determinado assunto como o mercado digital, por exemplo. As empresas buscam formatos para fazer negócios utilizando redes já formatadas, usando ferramentas como o Instagram ou Facebook, então o Sebrae faz essa orientação. Das 368 mil empresas atendidas, o número de consultas chega a quase 2 milhões, porque cada empresário vai duas a três vezes”, expôs.

Receba nossas notícias direto no seu celular. Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1.