São Paulo O risco Brasil, que subiu durante quase todo o dia, virou e fechou ontem em queda de 0,40%, a 1.232 pontos; o menor índice desde o dia 14 de janeiro, após os mercados norte-americanos também se recuperarem. Já o C-Bond, principal título do Brasil negociado no exterior, avançou mais 0,34% e fechou a 72,938% do valor de face, melhor cotação desde junho do ano passado.
O risco Brasil mede a diferença, em centésimos de pontos percentuais, entre os juros pagos pelos títulos da dívida do país e os da dívida dos Estados Unidos. Quanto maior a diferença, maior o risco e pior a cotação dos papéis.
Segundo analistas do setor, o Brasil, com indicadores econômicos positivos, virou o alvo preferencial da pequena fatia de investimentos de fundos dos EUA e da Europa destinada a mercados emergentes, que com o mau desempenho da economia norte-americana ganhou algum volume. Ainda assim, os investidores permanecem atentos ao cenário político internacional, onde cresce a possibilidade de os EUA iniciarem uma guerra no Iraque.