Carmem Murara
De Curitiba
A montadora Renault implantará uma linha de produção dos carros Nissan até o final do ano na nova fábrica que construirá em São José dos Pinhais para a produção dos utilitários da própria marca e modelo ‘‘furgão Master’’. A informação foi confirmada ontem por fontes ligadas ao governo e da própria empresa. O novo investimento industrial, que será anunciado no dia 26 em Paris (França), será para instalação apenas da fábrica de furgões. O governador Jaime Lerner participará da solenidade a convite do presidente mundial da Renault, Louis Schweitzer.
O volume de investimentos está sendo mantido em sigilo, assim como os demais detalhes da nova fábrica. A intenção de trazer uma linha de produção da Nissan ao Estado partiu da diretoria após outubro do ano passado, quando a Renault adquiriu 30,8% das ações da montadora. A Nissan estava com problemas financeiros e passou a ser administrada por um diretor da Renault. A meta é tornar a empresa lucrativa o mais rápido possível, interrompendo um período de sete anos de prejuízo. Uma das alternativas para a empresa sair o mais rápido possível do vermelho é a transferência de parte da produção para o Brasil, onde há demanda reprimida para o mercado de carros.
As notícias sobre o anúncio do novo investimento da Renault no Paraná apareceram rodeadas de contra-informações. Guardar segredo foi uma imposição da diretoria da Renault, mas o próprio governo fez questão de manter o assunto a sete chaves. Foco central das acusações de ser um dos principais estimuladores da guerra fiscal, o governador Jaime Lerner queria que sua viagem à França passasse despercebida para não gerar mais polêmica com o governo de São Paulo, principalmente.
O investimento da Renault no Paraná será o terceiro desde que assinou o primeiro protocolo com o governo do Estado, em 1995. A montadora francesa tem a fábrica que produz os carros Mégané Scénic e Clio 2, indústria que teve um investimento de R$ 600 milhões por parte da Renault e participação acionária de até 40% do governo do Estado. Impulsionada pela desvalorização do Real, a empresa inaugurou sua fábrica de motores, no ano passado, com um investimento de R$ 100 milhões.