Os empresários que encabeçam o Movimento Londrina Competitiva (MLC) apresentaram ontem, durante entrevista coletiva, a prestação de contas dos resultados da implantação do Programa de Modernização da Gestão Pública (PMGP) na prefeitura do município. Por meio da contratação do Instituto de Desenvolvimento Gerencial (INDG) foram implantados três projetos, que resultaram em um aumento de R$ 42,6 milhões na receita e redução de R$ 6,7 milhões nas despesas do município, totalizando um incremento de R$ 49,3 milhões entre dezembro de 2010 e setembro deste ano. O valor supera a projeção inicial dos empresários em mais de 70% e deve atingir R$ 59 milhões até dezembro.
No papel, o projeto - que custou cerca de R$ 2,5 milhões e foi pago por 160 empresários e profissionais liberais do município - conseguiu até agora um retorno de R$ 17 para cada R$ 1 investido. As principais áreas de atuação da consultoria contratada foram na Secretaria da Saúde, na atividade de compras do município - ambas através do projeto de Reestruturação Operacional de Procedimentos (ROP) - além da Gestão Matricial de Receitas (GMR) e a Gestão Matricial de Despesas (GMD). Flávio Meneghetti, coordenador do MLC, viu como positivo o balanço apresentado até agora. ''Foi um trabalho muito transparente e importante. Havia um gestor para esmiuçar cada linha de receita e despesa, com responsabilidade de responder pelos números finais que eram prospectados como metas'', avaliou Meneghetti.
O empresário ainda disse que o gasto de R$ 2,5 milhões na contratação do INDG foi um dos melhores investimentos feitos pela população londrinense nos últimos anos. ''A sociedade civil organizada ficou distante da Prefeitura de Londrina por pelo menos 25 anos, enquanto cidades como Maringá e Cascavel têm esta participação coletiva muito forte'', comparou o coordenador do MLC.
Meneghetti disse ainda que o desafio daqui pra frente, com o término da consultoria, é manter ''o espírito da ferramenta vivo na gestão pública da cidade''. Para que isso aconteça de forma efetiva, o prefeito Barbosa Neto (PDT) assinou o Decreto 1040, onde fica instituído oficialmente o PMGP em Londrina. As reuniões, que eram trimestrais, passarão a ser semestrais entre os coordenadores do MLC e o secretário de planejamento que estiver ocupando o cargo. ''Ainda existe em Londrina secretarias que dificultam a vida do empresariado. São burocracias que precisam ser vencidas'', criticou o empresário.
Marcos Von Borstel, empresário e diretor de Ciência e Tecnologia do Instituto de Desenvolvimento de Londrina (Codel), afirmou que o MLC ainda não possui nenhuma ação deste porte projetada para 2012. ''É natural que com a saída do INDG possa acontecer o relaxamento dos servidores envolvidos no trabalho. Mas continuaremos em cima disso para dar continuidade ao projeto. Outro ponto que iremos focar no ano que vem são as melhorias no aeroporto da cidade'', informou.
Aprendizado
André Ribeiro Chaves, consultor sócio do Instituto Nacional de Desenvolvimento Gerencial (INDG), ressaltou que a metodologia aplicada pela consultoria dependeu muito dos gestores públicos absorverem este tipo de trabalho. ''O maior desafio foi os servidores aprenderem a utilizar a metodologia e os secrestários aprenderem a prestar contas, para que fossem identificados os problemas e, consequentemente, realizar os planos de melhoria'', explicou ele.

Imagem ilustrativa da imagem Receita do município deve chegar a R$ 59 mi