Quase metade dos paranaenses ainda não entregou declaração do IRPF

Apenas 1.046.710 contribuintes paranaenses entregaram suas declarações de um total de 2.070.000

Reportagem local
Reportagem local

A um mês do fim do prazo de entrega da DIRPF (Declaração do Imposto de Renda da Pessoa Física), quase metade dos paranaenses (45,5%) ainda não efetuou a entrega do documento, segundo balanço divulgado nesta segunda-feira (1) pela Superintendência Regional da Receita Federal na 9ª RF. Segundo a superintendência, 1.046.710 contribuintes paranaenses já entregaram suas declarações de um total de 2.070.000. 


No Brasil, o cenário é semelhante. Metade dos 32 milhões de contribuintes ainda não enviou os dados relativos aos ganhos de 2019 à Receita Federal. Segundo o último levantamento do Fisco, divulgado na última quinta-feira (28), 16 milhões de brasileiros já enviaram a declaração.




Para aqueles que deixaram para fazer a declaração do Imposto de Renda para este último mês, o empresário contábil e diretor do Sescap-LDR (Sindicato das Empresas de Assessoramento, Perícias, Informações, Pesquisas e de Serviços Contábeis de Londrina e Região), Marlon Marçal, orienta que procurem o seu contador o mais breve possível com a documentação completa. "Isso evitará atrasos e retrabalho. Ainda orientamos que fique a atento a coleta de informações, desde informe de rendimentos, extratos bancários, despesas dedutíveis até a relação de bens”.


O prazo de entrega do DIRPF começou no dia 2 de março e vai até o dia 30 desse mês. O prazo final, inicialmente fixado no dia 30 de abril, foi prorrogado devido à pandemia do coronavírus. 


"Não tinha como não adiar. Foi um período difícil, as pessoas estavam preocupadas. Mas agora já houve um tempo significativo para fazer a declaração", diz Joaquim Adir, supervisor nacional do IR.


A Receita relatou que, por causa do distanciamento social decretado para deter o avanço da doença, contribuintes estavam com limitações para reunir toda a documentação e acessar especialistas da área para tirar dúvidas.


"Muitas vezes quem faz [a declaração] é o contador, não o contribuinte. A pessoa reúne documentos e leva ao contador todos os anos, mas a pandemia impediu que isso fosse feito no prazo este ano", diz Charles Gularte, da Contabilizei, que presta serviços de contabilidade online.


"É como se nesses dois meses, tudo tivesse ficado parado. Muita gente deixou para entregar depois e isso preocupa porque não sabemos como vai ficar a situação até o fim de junho. Por isso, é importante começar a declaração logo para ter tempo de resolver os problemas que possam surgir", diz Adir, da Receita.


A Superintendência Regional da Receita Federal na 9ª RF lembra que o vencimento das cotas também foi prorrogado. A primeira cota vence no dia 30 de  junho  de  2020, enquanto as demais vencem no último dia útil dos meses subsequentes. A exigência de se informar o número constante  no  recibo  de  entrega da última declaração de ajuste anual também foi retirada.


As  mudanças  objetivam evitar aglomerações de contribuintes no atendimento da RFB (Receita Federal do Brasil),  bem  como  em  empresas  ou  instituições  financeiras, para diminuir a propagação do novo Coronavírus, informou a Receita.


Segundo Adir, da RFB, todos os procedimentos necessários para concluir a declaração podem ser feitos pela internet, incluindo a regularização de CPF.


O primeiro passo para fazer a declaração é reunir toda a documentação: os informes de rendimentos e comprovantes dos pagamentos, acessíveis por internet ou Correios.


De acordo com Flávio Sanches, sócio tributarista do CSMV Advogados, a atenção precisa ser redobrada em relação aos informes de rendimentos, fornecidos pelas fontes pagadoras.


"Tendo o informe de rendimentos em mãos, já é meio caminho andado. Outra parte importante da declaração também são os documentos de bens e direitos, essenciais para demonstrar a origem patrimonial", afirma.


O advogado diz ainda que existem outros pontos na declaração que merecem atenção para que o contribuinte não caia na malha fina. Um deles é informar ganhos com investimentos em ações, modalidade que cresceu muito ao longo do ano passado.


"Para quem investe na Bolsa de Valores, por exemplo, existem diferenças na declaração", afirma. Para quem já caiu na malha fina ano passado e não regularizou a situação, Sanches destaca que é importante aproveitar o período para ficar em dia com o Fisco.


A orientação é evitar as unidades de atendimento da Receita, que, em algumas cidades, estão fechadas. Para verificar o atendimento, é preciso ligar na unidade, cujo telefone está disponível na página da Receita na internet.


Também é possível fazer a declaração pelo celular, por meio do aplicativo Meu Imposto de Renda. 




"Se a pessoa tem restrição de acesso a internet e precisa se deslocar, vai ficar mais difícil e corrido, então, não deixe para fazer a declaração na última quinzena. Se faltar algum documento, pode atrasar a declaração, o que acarreta multa", diz Charles Gularte, da Contabilizei, que presta serviços de contabilidade online.(com Folhapress)

Como você avalia o conteúdo que acabou ler?

Pouco satisfeito
Satisfeito
Muito satisfeito

Últimas notícias

Continue lendo