Vânia Casado
De Curitiba
Os produtores de batata do Paraná estão pensando em deixar o que resta colher da safra das águas na lavoura. Os preços estão tão baixos que não vale a pena colher, disse o gerente executivo da Associação dos Bataticultores do Paraná, Luiz Bueno. Ele se queixa que os produtores investiram na modernização do sistema de cultivo e mesmo assim continuam colhendo prejuízos. O reflexo desse quadro será a redução da área plantada na próxima safra, já que muitos produtores estão deixando a atividade.
Esse ano, a crise atingiu até mesmo os grandes produtores que produzem a batata lisa (Mona Lisa e Bindge) mais valorizadas pelo mercado. Eles investiram na modernização do sistema de cultivo, desembolsaram mais recursos para bancar o custo de produção e mesmo assim, a produção não teve mercado. Eles tiveram prejuízo que variou de 3,46% a 31,25%, entre os meses de dezembro a fevereiro. Os cálculos levaram em consideração o custo variável, que é o volume de recursos que o produtor desembolsou para produzir a batata. Os preços da batata lisa ao produtor variaram de R$ 5,00 a R$ 18,00 a saca de 50 quilos, entre janeiro e março.
Conforme levantamento do Departamento de Economia Rural, da Secretaria da Agricultura (Deral), o produtor gastou em média R$ 9,33 para produzir uma saca de batata comum e vendeu o produto por R$ 5,18, em média. Os produtores de batata comum tiveram prejuízos de até 54% em fevereiro, quando os preços desabaram. Já o custo para produzir uma saca de batata lisa foi de R$ 10,48 e o preço de venda variou entre R$ 7,00 a R$ 12,00 a saca, durante a maior parte da safra.
A derrocada dos preços da batata esse ano foram provocadas por um conjunto de fatores. Entre eles, Bueno citou a nova ordem de comercialização ditada pelas grandes redes de supermercados, onde o lucro deles é garantido, mesmo que os preços ao produtor fiquem abaixo do custo de produção. Segundo Bueno, as grandes redes de supermercados passaram a ter uma influência maior na formação de preços. De acordo com o Deral, a margem bruta de comercialização da batata foi de 77% na batata comum e 72% na batata lisa. Entre os meses de dezembro a fevereiro o produtor ganhou R$ 0,24 o quilo, enquanto o consumidor pagou de R$ 0,80 a R$ 1,20 o quilo.
Bueno lembrou ainda a entrada maciça de batata industrializada importada. A Abapar calcula que entraram entre 150 mil a 200 mil toneladas de batata processada oriunda da Bélgica e Holanda. ‘‘Esse volume equivale a uma redução de uma área plantada de 15 mil hectares’’, afirmou. Bueno lembrou que esses produtos são consumidos pela parcela da população que tem mais poder aquisitivo porque ainda são caros.
Por outro lado tem o arrocho da renda familiar para a maior parte da população, que está diminuindo suas visitas aos supermercados. Essa faixa da população que consome batata ‘‘ in natura’’ já está contando o dinheiro para ir ao supermercado, lembrou Bueno. Ele citou ainda a concentração da oferta em determinados períodos do ano, com a entrada de produção de outros Estados ao mesmo tempo no mercado.
A Abapar e a Associação Brasileira de Produtores de Batata estão tentando reverter esse quadro de prejuízos. Estão percorrendo as regiões produtoras e promovendo reuniões para organizar os produtores. A intenção é tentar a negociação direta com os supermercados e eliminar as intermediações.Preços baixos não incentivam colheita e Associação dos Bataticultores já fala em redução da área plantada na próxima safra
Arquivo FolhaPREJUÍZOSLevantamento do Deral aponta que gasto médio para produção da saca da batata comum foi de R$ 9,33 enquanto o preço ficou em R$ 5,18