|
  • Bitcoin 121.259
  • Dólar 5,0515
  • Euro 5,2137
Londrina

Economia

m de leitura Atualizado em 29/06/2022, 19:31

Presidente da Caixa deixa o cargo após denúncia de assédio sexual

Daniella Marques, braço direito do ministro Paulo Guedes (Economia), foi escolhida por Bolsonaro para substituir Guimarães

PUBLICAÇÃO
quarta-feira, 29 de junho de 2022

Matheus Teixeira - Folhapress
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

Brasília - O presidente da Caixa Econômica, Pedro Guimarães, deixou o comando do banco estatal nesta quarta-feira (29), após ser acusado de assédio sexual por funcionárias. A saída dele do governo foi divulgada em uma carta aberta publicada em suas redes sociais.

O presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, participa da solenidade de lançamento de uma série de iniciativas voltadas ao público feminino, no Dia Internacional da Mulher O presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, participa da solenidade de lançamento de uma série de iniciativas voltadas ao público feminino, no Dia Internacional da Mulher
O presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, participa da solenidade de lançamento de uma série de iniciativas voltadas ao público feminino, no Dia Internacional da Mulher |  Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil
 

A exoneração ainda não foi oficializada, mas deve ocorrer nas próximas horas.

Na carta, Guimarães nega as acusações e diz ser alvo de "rancor político em um ano eleitoral".

"É com o mesmo propósito de colaboração que tenho de me afastar neste momento para não esmorecer o acervo de realizações que não pertence a mim pessoalmente, pertence a toda a equipe que valorosamente pertence à Caixa e também ao apoio de todos as horas que sempre recebi do Senhor Presidente da República, Jair Bolsonaro", diz.

Interlocutores no Palácio do Planalto diziam que a manutenção de Guimarães à frente da Caixa Econômica Federal se tornou insustentável após a divulgação das denúncias.

Uma apuração sobre o caso tramita na Procuradoria da República no Distrito Federal. O caso foi revelado pelo site Metrópoles na terça (28).

O caso ocorre em meio à tentativa do chefe do Executivo de melhorar a imagem junto ao público feminino, fatia do eleitorado em que registra um dos piores índices de intenção de votos.

Apesar disso, integrantes da campanha de Bolsonaro minimizaram o impacto que as denúncias contra Guimarães têm sobre o projeto de reeleição.

O presidente da Caixa é um dos nomes mais próximos do presidente Jair Bolsonaro (PL) no governo. Está no cargo por indicação do ministro da Economia, Paulo Guedes, e ganhou a confiança do chefe do Executivo ao longo do mandato. Guimarães chegou a se colocar na disputa pela vaga de vice na chapa de Bolsonaro que disputará a reeleição neste ano.

Guimarães chegou a ser cogitado como substituto de Guedes em momentos de crise na pasta de seu padrinho no governo. Ele se aproximou do mandatário e sua família por ter uma visão de mundo similar à da família Bolsonaro.

Isso ficou claro, por exemplo, quando o STF (Supremo Tribunal Federal) mandou o governo divulgar o vídeo da reunião ministerial em que o ex-ministro Sergio Moro afirmava que ficaria comprovada a interferência de Bolsonaro na Polícia Federal.

No encontro, que ocorreu no início da pandemia da Covid-19, Guimarães fez críticas ao isolamento social, que era recomendado pelo consenso da unidade científica brasileira e mundial.

Ele criticou o fato de, na época, funcionários estarem trabalhando de casa.. "Tá todo mundo em home office. Que porcaria é essa?", disse. Também chamou a pandemia de "histeria coletiva".

A proximidade ficou explícita em diversos eventos públicos e nas lives semanais do presidente -ele era um dos mais frequentes participantes das transmissões ao vivo de Bolsonaro nas redes sociais.

Em outro episódio, Guimarães atuou diretamente para evitar que a Fiesp publicasse um manifesto em que demonstraria preocupação com a escalada da crise entre os Poderes em meio às ameaças golpistas de Bolsonaro às vésperas do 7 de setembro do ano passado.

NOVA PRESIDENTE

O presidente Jair Bolsonaro (PL) escolheu Daniella Marques, braço direito do ministro Paulo Guedes (Economia), para presidir a Caixa Econômica Federal no lugar de Pedro Guimarães. Daniella Marques é secretária especial de Produtividade, Emprego e Competitividade do Ministério da Economia e vinha liderando a agenda Brasil Pra Elas, focada no público feminino -uma forma de tentar impulsionar a imagem de Bolsonaro perante esse eleitorado.

Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1.