O equilíbrio entre a oferta e a demanda estabilizou o preço da carne de frango nas últimas semanas. Segundo dados da Scot Consultoria, nesta primeira semana de agosto, o quilo da carne na granja em São Paulo fechou a R$ 2,25, valor que tem se mantido estável há 15 dias. Juliana Pila, analista de mercado da Scot Consultoria afirma que essa estabilidade se deve ao equilíbrio entre a oferta e a demanda. No mercado paranaense, segundo dados do Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento (Seab), o valor do frango vivo registrou um leve recuo em comparação ao mês anterior.
Na média de julho, por exemplo, o valor da carne fechou a R$ 2,13/kg, contra R$ 2,22/kg contabilizado em junho. Na última quinta-feira, dia 7, o quilo do frango vivo ao produtor ficou cotado em R$ 2,08, 2,3% abaixo ao contabilizado no dia anterior.
No atacado, no mercado paulista, o preço da carne de frango caiu 1,6% da terceira para a quarta semana de julho, fechando a última sexta-feira, dia 25, em R$ 3,10/kg, contra R$ 3,15 registrado na semana anterior. "No final do mês as vendas são menores porque o poder de compra do consumidor cai no final do mês", explica a especialista da Scot.
Neste início de agosto, com o recebimento salarial da população, a demanda tende a aumentar e os preços devem melhorar no atacado e, consequentemente, no varejo. Os números ainda não estavam fechados.

Mercado paranaense
Diferente do mercado paulista em que há uma relação direta de compra de carne de frango entre produtor e atacado, no mercado avícola paranaense o processo de integração entre avicultores e indústrias tem garantido uma estabilidade para o produtor, segundo avalia Domingos Martins, presidente do Sindicato das Indústrias de Produtos Avícolas do Estado do Paraná (Sindiavipar).
Martins explica que a agroindústria oferece todos os insumos, inclusive os pintainhos - pintos de um dia - aos avicultores. Com isso, completa o presidente, o trabalho dos trabalhadores é somente engordar os animais. Segundo ele, o mercado no Estado segue estável. Contudo, Martins reclama que inúmeros feriados no último mês e a Copa do Mundo prejudicaram o consumo brasileiro de carne de frango.
Mesmo com um consumo não tão bom, ele avalia que os preços seguem estáveis desde maio. Para o segundo semestre, a tendência é de aquecimento no valor do quilo da carne. "O segundo semestre sempre foi melhor que o primeiro", completa o presidente do Sindiavipar.

Imagem ilustrativa da imagem Preço do produto se mantém estável no mercado interno