O presidente da Sociedade Rural dos Campos Gerais, Ilson Morawski, anunciou ontem a intenção da entidade de levar para Ponta Grossa a Feira do Paraná, tradicionalmente realizada no Parque Castello Branco, em Curitiba. No entanto, com a inclusão da região na Área de Preservação Ambiental (APA) do Iraí, a Procuradoria Geral do Estado considerou a realização do evento temerária, tendo em vista as exigências de ordem ambiental, decorrentes dessa inclusão.
Diante do fato, lideranças ruralistas de Ponta Grossa foram à luta. Através do deputado Plauto Miró Guimarães Filho (PFL), o grupo agendou uma reunião com o chefe da Casa Civil, Alceni Guerra, e o secretário estadual de Agricultura, Antônio Poloni, para a próxima segunda-feira, às 17h30.
O prefeito eleito de Ponta Grossa, Péricles de Holleben Mello (PT), também foi consultado a respeito e passou a apoiar o grupo. Segundo ele, a cidade tem vários motivos para ‘‘brigar’’ por esse evento. O principal deles seria o investimento que a cidade receberia. ‘‘Com a feira em Ponta Grossa certamente nosso Parque Agropecuário vai receber investimentos do governo do Estado e além disso, podemos promover uma integração regional, movimentando vários setores da economia de Ponta Grossa e das cidades vizinhas’’, destaca.
Péricles ressaltou ainda que a cidade merece abrigar um evento desse porte, uma vez que exporta tecnologia para todo o Brasil. Sem dúvida o Paraná inteiro gostaria que a feira fosse realizada aqui, considera.
Já o deputado Luiz Carlos Zuk, que também integra o grupo de apoio, foi mais cauteloso. ‘‘Precisamos ver os custos operacionais disso. Afinal, se a feira fosse tão lucrativa, o governo do Estado não abriria mão dela’’, ponderou.