Os agricultores familiares, prejudicados com a falta de crédito do ‘‘Pronafinho C’’ , estão preparando manifestação em todo o país. Por pressão dos próprios agricultores, o Paraná está se antecipando à mobilização prevista para os dias 24 e 26, informou ontem o presidente da Fetaep Antonio Zarantonello.
Hoje, os sindicatos da Lapa, Campo do Tenente, Jardim Alegre e Grandes Rios promovem assembléias para decidir a forma de protesto. Zarantonello adianta que todas as manifestações vão ocorrer em frente às agências do BB, repassador dos recursos do Pronaf. Na quarta-feira, a superintendência do Paraná liberou R$ 9 milhões, mas esses recursos, insuficientes, não deverão conter a onda de revolta, informou.
A Fetaep estima que 90 mil agricultores estão esperando por esse crédito para plantar. Sem os recursos, deverão plantar somente para o consumo e não deverão utilizar os insumos. O Paraná tem 300 mil pequenos agricultores, responsáveis pela produção de 80% dos alimentos da cesta básica como arroz, feijão, milho, mandioca, lete, hortigranjeiros, aves e suínos.
Zarantonello afirmou que o clima no Interior é ‘‘de revolta’’. Os agricultores que receberam os recursos para o custeio na safra passada, não estão sendo atendidos. O banco vinha informando que os produtores paranaenses atendidos no ano passado, não teriam problemas para renovar o crédito, esse ano. No total eles emprestaram R$ 62 milhões para o custeio da safra 99/2000.
Ocorre até agora o BB repassou apenas 20% dos recursos liberado na safra passada (R$ 12,4 mi). Segundo Zarantonello, se os recursos já retornaram ao banco porque não existe inadimplência, por que, então, o dinheiro não é reaplicado?, pergunta. Eles estão sendo desviados para algum lugar’’, questionou. ‘‘Além disso, a demanda prevista para esse ano, avaliada em R$ 110 milhões para o custeio da safra 2000/2001 foi levantada pelo próprio governo, que criou essa expectativa’’, acrescentou.