Pelo segundo mês consecutivo, Londrina resgistrou redução na geração de emprego. Dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) apontam que em outubro o saldo foi negativo em 199 vagas, com variação de -0,13% ante setembro. Em contrapartida, no acumulado do ano, o município teve crescimento de 4,67%, o que corresponde a um saldo positivo de 6.689 postos de trabalho.
O setor de serviços foi o que teve o pior saldo no décimo mês do ano (-205 vagas), seguido da construção civil (-98) e agropecuária (-27). A coordenadora da Agência Municipal do Trabalhador (Sine-Londrina), Neiva de Cássia Vieira, explica que a área de serviços tem alta rotatividade de mão de obra, ''o que também ocorre com a construção civil''.
''Historicamente, pelo Caged, outubro é um mês que não tem muitas contratações para ambos os setores'', afirma Neiva. Ela avalia, ainda, que a queda também tem influência da crise financeira, que ''deixa os empregadores mais apreensivos, impedindo abertura de novas vagas e motivando demissões que vinham sendo prorrogadas''.
Em setembro, que totalizou decréscimo de 195 vagas, com 8.353 admissões e 8.548 desligamentos, o pior saldo foi para serviços (-526) e indústria de transformação (-65).
No décimo mês do ano, entre todos os setores produtivos, o total de admitidos somou 7.833 contra 8.032 demissões. O que mais teve contratações foi o comércio, com 102 vagas preenchidas; em seguida vieram administração pública, com 20 postos ocupados, e indústria de transformação (9). ''Por conta dos serviços temporários para o final do ano, haverá muitas contratações para o comércio, que deve se manter aquecido'', observa a coordenadora do Sine.
Embora os resultados dos últimos dois meses tenham sido negativos, a coordenadora destaca que no acumulado do ano, os números foram muito bons para o município. ''É importante avaliarmos o todo porque existem questões ligadas à sazonalidade e términos de contrato, por exemplo'', justifica.
De janeiro a outubro, os setores que se destacaram foram serviços, com 3.905 novos postos de trabalho; comércio (974), construção civil (927) e indústria de transformação (498). ''Os saldos do ano mostram que não estagnamos e que a tendência é intensificar esse crescimento.''
Neiva completa que há muitas vagas de emprego em Londrina que não são preenchidas porque falta motivação das pessoas. ''Inclusive os cursos de qualificação gratuita têm pouca procura'', diz.
Serviço
As vagas de caráter temporário estão abertas no Sine e podem ser visualizadas no www.maisemprego.mte.gov.br. Interessados em frequentar os cursos de qualificação podem entrar em contato pelos telefones (43) 3323-1357 e 3323-7912.

Imagem ilustrativa da imagem Pelo 2º mês, Londrina tem queda no emprego