No País da segunda maior carga tributária do mundo, que inviabiliza a competitividade das empresas, a nova economia, que movimenta bilhões de dólares, começa a desnudar implicações econômicas e sociais, inclusive no campo da tributação. Para identificar problemas e encontrar soluções efetivas, o Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário e a Associação Brasileira de Defesa do Contribuinte organizam o II Congresso Brasileiro de Planejamento Tributário que discutirá, dias 26 e 27 em Curitiba, o Planejamento Tributário na Nova Economia. A principal pergunta dos tributaristas é saber qual o território que tem a competência para tributar, onde é o local da prestação de serviços, quando é fato gerador do ICMS e quando é do ISS. São questionamentos que deixam inquietos não apenas os mais renomados tributaritas e técnicos do País, mas também empresários que acabam absorvendo, ou engolindo goela abaixo, tributos e mais tributos sem ao menos saber do que exatamente se trata. O presidente do Instituto, Gilberto Luiz do Amaral, explica que os questionamentos vão mais longe e que especialistas, empresários e contribuintes em geral querem saber o que é o software para fins de tributação, tributação de estabelecimento virtual, titularidade do site e hospedagem. Ele espera que todas essas dúvidas sejam explicadas pelos palestrantes que estarão em Curitiba especificamente para o congresso e para o Prêmio Tributarista do Século.

Quem explica?