O governo FHC conseguiu reunir incompetência e falta de sorte na sua política de exportação de produtos primários. Tanto que o agronegócio, depois de salvar a balança comercial por três anos consecutivos, está com seu saldo ameaçado. No caso do café, houve um ‘‘show’’ de amadorismo através de uma política de retenção que não passou um fiasco.
Tanto que, até hoje, agentes da cadeia de comerciaização comparam o sucesso da estratégia de retenção em 1995 com o fracasso deste ano. Naquela oportunidade o ex-ministro da Indústria e do Comércio, José Eduardo de Andrade Vieira, liderou a reunião de mais de 50 países produtores e, através da APPC, fundada na ocasião, implantou um sistema que funcionou. Vicente Bertone, presidente da Cooperativa de Garça (SP), lembra com detalhes. Em poucos meses, a saca de café saiu de míseros US$ 50,00/55,00 para os patares atuais. Café valorizado, riqueza distribuída.
Mas, vamos à notícia: foi marcado para os dias 16 e 17 de novembro, no Rio, no anúncio de um pacote de incentivos às exportações. De acordo com o secretário de Comércio Exterior (Camex), Roberto Giannetti o Plano de Exportações envolve medidas tributárias (redução de impostos), de logística (facilitação de trâmites) e financeiras (crédito e financiamento às exportações).
Giannetti esteve reunido ontem com o secretário da Receita Federal, Everardo Maciel, para discutir possibilidades de redução tributária para aumentar a capacidade produtiva das empresas, atrair investidores e estimular as exportações. Giannetti não quis adiantar quais serão as reduções tributárias, mas garantiu que haverá cortes pontuais. ‘‘A reforma tributária seria a solução geral, mas como não saiu vamos fazer o que for possível’’, disse.
As sete medidas a serem anunciadas terão o compromisso de atrair investidores que queiram transformar o Brasil em plataforma de exportação para a América Latina, reduzir os custos de exportação, aumentar o valor agregado das exportações, atualizar a pauta, iniciar campanha de promoção comercial e acesso a mercados, internacionalizar os procedimentos de exportação das empresas brasileiras e aumentar a base exportadora.