Sábado, dia do leitor
Sábado é dia do leitor, que reclama, desabafa e sugere (correio, ‘‘fax’’, telefone, e-mail):
Waldemar Tassi, de Ivaiporã, reclama da ausência de informações sobre preços agrícolas nos dias que antecederam os feriados de fim de ano. ‘‘É impossível ficar sem notícias do mercado, mesmo quando ele não sofre alteração’’. Sobre o mesmo assunto reclamam ainda os leitores: Carlos S.C. Muraro, de Maringá; Eder A. Santos Filho, de Cornélio Procópio e Aziz K.L. Domingos, de Medianeira.
Sonio José, de Altônia, pede continuidade das avaliações sobre o mercado de café e soja.
Benedito Moreira da Cruz, de Cambé, reclamando contra ausência de preços, estradas e erros da política de abastecimento, com importações de produtos básicos.
Ananias G.Grillo, de Manoel Ribas, protestando contra ‘‘ameaça’’ de importação de milho. ‘‘Lei da oferta e procura só funciona quando há excesso de produção, que derruba o preço ao produtor’’.
José C. G. de Toledo, de Rancho Alegre, elogiando as críticas feitas pela coluna à previsão de safra recorde, anunciada no início de dezembro pelo ministro da Agricultura Pratini de Moraes.
Rosalva Andrade, diretora de Marketing do Conselho Nacional do Café, convidando para a abertura do 1º Encontro Nacional dos Cafés do Brasil, que será realizado no dia 28 de janeiro, em Belo Horizonte. Durante o evento será lançada a Revista Café & Cultura. ‘‘A Revista Cafe & Cultura e o Encontro Nacional dos Cafés do Brasil’’, fazem parte da política de valorização do café brasileiro’’.
Patrícia Pêcego, de São Paulo: O Grupo Basf destina anualmente cerca de R$ 300 mil para manter o Projeto Crescer, no ABC Paulista e em Guaratinguetá (sobre nossa coluna do dia 3/1 enfocando compromisso das empresas com ações sociais).
Política da carne Discussões sobre fornecimento de carne ao maior centro consumidor da América Latina, São Paulo, marcaram a semana. Fazendeiros, frigoríficos e supermercados estão preocupados com os efeitos das novas barreiras sanitárias contra a febre aftosa, que desde o dia 28 dividiu o país em duas áreas, restringindo o comércio de bois, carne e miúdos.
Por determinação de uma portaria do Ministério da Agricultura, São Paulo, Paraná, Goiás, parte de Minas Gerais, Mato Grosso e Distrito Federal foram incluídos na zona livre da doença com vacinação, a exemplo do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina.



LEITURA DINÂMICA
-
A Associação dos Provedores de Acesso, Serviços e ações da Rede Internet (Abranet) irá processar a Telefônica por facilitar o acesso gratuito à Internet por meio dos portais dos bancos Bradesco e Unibanco. (Detalhes nas páginas de Economia).
-O Paraná passou de terceiro para o segundo lugar no ranking nacional de
produção de frango de corte em 99, crescendo 15,3% em relação a 98 e
exportando cerca de 26% da produção. Fonte: Deral.
-Avipar não sabia. Ou não quis divulgar.
-O IPC-Fipe registrou em dezembro inflação de 0,49%, abaixo da expectativa dos analistas, que esperavam 0,70%. A inflação medida pela Fipe e o bom desempenho do mercado internacional trouxeram tranquilidade às Bolsas (Nas páginas de Economia).

DROPS
Café Há pouca oferta de café brasileiro porque o setor está razoavelmente capitalizado. Por outro lado, Colômbia e México estão ofertando cafés de boa qualidade, derrubando os preços externos. Mas se o preço cair mais, o mercado trava. Observação o especialista Marcelo Fraga, analista da Bourbon, empresa de consultoria de Londrina.
Café 2 As chuvas castigaram os cafezais do sul de Minas e da Mogiana (SP). As chuvas estão derrubando os frutos novos, provocando erosão e dificultando a adubação e o controle das pragas.
Café 3 O preço do café em Nova York caiu 2,31%, passando para 114,15 centavos de dólar por libra-peso. Nos últimos 30 dias, a queda é de 12,46%. Já no mercado interno, a queda no dia foi de apenas 0,45%.
Milho Notícias de todas as regiões de São Paulo indicam que as chuvas estão recuperando as lavouras daquele Estado, principalmente milho e feijão. Mesmo assim haverá perda.
Milho 2 Enquanto isso, parece que o Rio Grande do Sul não vai colher milho. Estudo da Emater/RS em 276 municípios (70% da área semeada no Estado), indicou uma quebra de safra de 29,1%.