|
  • Bitcoin 118.038
  • Dólar 5,2124
  • Euro 5,3407
Londrina

Economia

m de leitura Atualizado em 18/07/2022, 16:08

Novo conceito de “praça” para cálculo IPI reduz carga tributária

Na prática, diz especialista, a indústria agora pode sentir mais segurança para transações comerciais entre as partes relacionadas

PUBLICAÇÃO
segunda-feira, 18 de julho de 2022

Reportagem local
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

A redução da carga tributária é uma das grandes guerras das empresas e uma batalha acaba de ser vencida pelo setor industrial que comemora a nova definição do conceito de praça para o cálculo do IPI, o Imposto sobre Produtos Industrializados. O Congresso Nacional derrubou o veto do presidente Jair Bolsonaro ao Projeto de Lei nº 2.110/2019, que traz a definição de “praça” para o cálculo do imposto. O texto aprovado pelo Congresso tem sentido contrário ao entendimento da Receita Federal e à parcela da jurisprudência do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (CARF), o que havia motivado o veto por parte da Presidência e a mudança deve gerar uma redução na carga tributária. 

Imagem ilustrativa da imagem Novo conceito de “praça” para cálculo IPI reduz carga tributária Imagem ilustrativa da imagem Novo conceito de “praça” para cálculo IPI reduz carga tributária
|  Foto: iStock
 

De acordo com Arthur Pitman, especialista em Direito Tributário do Balera, Berbel & Mitne Advogados, a notícia é importante principalmente para as empresas de setores industriais, em que a atividade fabril está separada da área de distribuição, grupos econômicos com empresas interdependentes e que realizam transações comerciais entre si. O conceito de “praça” é importante porque serve de base para o cálculo do Valor Tributável Mínimo (VTM) – piso para a tributação de IPI quando um fabricante vende um produto para uma filial ou para a sua unidade atacadista, tudo isso antes de chegar no consumidor final. Ele é aplicado como medida antielisiva, para evitar a comercialização de produtos a valores baixos. 

Pitman explica que o conceito surgiu junto com a lei que definiu o IPI, uma legislação antiga, de 1964. Sempre foi um instrumento para evitar simulação de preços com o objetivo de fraudar o sistema, pagando menos impostos. “O método VTM era um arbitramento de valor, que determinava, entre outras coisas, que o valor tributável não poderia ser inferior ao preço corrente no mercado atacadista da praça do remetente. Esse termo, ‘praça do remetente’ sempre gerou muita controvérsia entre a Receita Federal do Brasil e os contribuintes porque de um lado, a intenção da legislação era evitar que fraudes pudessem ser cometidas e, de outro lado, os contribuintes tinham que ter a mínima noção do que era o tal do preço corrente do mercado atacadista na praça do remetente.

O termo sempre foi de difícil definição e gerou uma disputa muito grande no contencioso administrativo federal especialmente no âmbito do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais e um litígio muito conhecido e muito recorrente entre contribuintes e o Fisco Federal”, comenta Pitman. Num primeiro momento, a alteração da legislação base do IPI tinha a intenção de determinar que a ‘praça do remetente’ seria o próprio território nacional e que o preço, portanto, deveria ser muito mais alto, exigindo um imposto com parâmetros muito mais abrangentes em termos regionais. 

“Muitas vezes, isso não condizia com o preço fixado entre duas partes; indústria e revendedor que são relacionados”, diz o advogado. O Regulamento do IPI de 2010 (Decreto nº 7.212/2010) estabelece que, nessas situações, a base para o cálculo do IPI é o VTM. O artigo 195 afirma que o valor tributável não pode ser inferior ao preço corrente no mercado atacadista da praça do remetente, se o produto for vendido para empresas do mesmo grupo. Para o Fisco, praça é um conceito comercial, que considera para a base de cálculo do IPI o preço praticado pelo atacado. Já para as empresas, praça refere-se ao município do remetente que, geralmente, é o fabricante e não onde está o destinatário – como agora definiu o Congresso.

A derrubada do veto e essa nova perspectiva na legislação tributária vem, na opinião do advogado, para pacificar  a disputa de sentido do termo praça do remetente, definindo que a partir de agora o termo diz respeito ao território do município onde a empresa atua e que o preço corrente do mercado atacadista deve ser aquele do respectivo município onde a transação ocorre. “O veto do Congresso deu o sentido para praça do remetente com um grau de segurança jurídica maior, dizendo que a tal da praça do remetente é o limite circunscrito ao território municipal onde a empresa atua. É um resultado positivo a favor do contribuinte do setor industrial que agora sabe o valor mínimo das operações que irá fazer quando comercializar entre partes relacionadas e empresas do mesmo grupo”, afirma Pitman. 

Na prática, continua o especialista, a indústria agora pode sentir mais segurança para transações comerciais entre as partes relacionadas. “É muito comum no mercado que as indústrias usem empresas do mesmo grupo para escoarem a produção no território nacional e até mesmo no exterior. Esse tipo de operação é muito comum, mas o fato de não conseguir fixar um preço para fins de tributação gerou muitos problemas no passado. A partir de agora os industriais terão mais segurança para saber qual o preço mínimo em que tem que ser submetido a tributação pelo IPI e isso vai simplificar e baratear bastante o compliance fiscal. 

Agora ficou claro que o âmbito de aplicação dessa regra é o território do município onde a empresa atua. Não existe mais a necessidade de se fazer um estudo abrangente para saber qual é o preço praticado no produto comercializado na região metropolitana, no estado ou qualquer outra macrorregião. A tendência é de simplificação e de redução de custos, com compliance fiscal e governança”, afirma. “A partir de agora existe um parâmetro mais claro, apoiado nos limites do território, para o estudo dos preços a serem praticados ou submetidos à tributação para o IPI”, diz Pitman.

Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1.