Boi gordo O boi continua rompendo barreiras e ontem a arroba subiu para R$ 44 no Estado de São Paulo. A alta se deve à oferta reduzida de animais para abate, segundo informações da FNP Consultoria & Comércio. No Paraná, R$ 41,00/42,00, até R$ 42,50.
Frango Os preços do frango, em São Paulo, não se sustentaram na granja, recuando para R$ 1,10 por quilo (animal vivo). O varejo ficou com sobra de carne no feriado e diminuiu as compras no atacado, diz Paula Santana Barbosa, da FNP. No Paraná, preços estáveis para frango limpo resfriado (Veja cotações abaixo).
Arroz/estoque O mercado de arroz vive, neste ano, uma entressafra diferente. Normalmente, os preços esquentam nos últimos meses do ano, à espera do produto da safra nova, que só chega em janeiro. Neste ano, os preços não reagiram e, provavelmente, não vão reagir.
Mercado O analista Romeu Fiod diz que as ofertas superam as compras e o arroz está sendo negociado no Sul a R$ 11,50. Em algumas regiões, a saca chega a R$ 12, dependendo do prazo de pagamento. O atacado e o varejo refletem essa situação, com preços baixos.
Plantio Diante desse cenário difícil, aos produtores, que estão em fase de plantio da nova safra, só restam duas alternativas, segundo Fiod: aumentar a produtividade e diminuir os custos. A dificuldade em atingir esses objetivos está levando muitos produtores a diminuir a área de plantio.
Os números Fiod diz que as previsões são de redução de até 7% da área no Sul. Ele acha difícil essa redução porque as terras no Sul são preparadas especialmente para o arroz. Já no Mato Grosso, onde a mudança de cultura é mais fácil, a queda na área pode chegar a 30% em algumas regiões.
Queda forte Os agricultores têm motivos para se preocupar. Em outubro de 98, a saca de arroz em casca era negociada a R$ 19. No mesmo mês do ano seguinte, caiu para 14 e, neste ano, está próxima de R$ 12.
Batata A batata é um dos líderes de aumento nas taxas de inflação. Em São Paulo, a alta em 30 dias é de 16%. A alta do preço da batata, no entanto, está com os dias contados, e o panorama será bom para os consumidores, mas ruim para os produtores.
Oferta Números do Deral mostram que a safra de batata das águas deve superar 1,2 milhão de toneladas nas principais regiões produtoras do Brasil, o suficiente para seis meses de consumo.
Sem dinheiro Os últimos anos foram ruins para os produtores, que estão descapitalizados, diz Vera Zardo, do Deral. Os preços atuais estão em R$ 1,13 por quilo, devido à entressafra, mas chegaram a cair para R$ 0,54 em fevereiro. A partir de dezembro, com o início da colheita, voltarão a recuar.